espírito da cruz 52 – livres pra crer?

photo-1442317108052-456c4a57d603

Adão e Eva foram os únicos seres humanos, antes do pecado, que tiveram seu livre arbítrio. Tinham opção para crer ou rebelar-se contra Deus. Podiam escolher entre a árvore da Vida e a da ciência do bem e do mal. Foram criados com a capacidade de crer e também de não crer na palavra de Deus. Só assim eles seriam livres para decidir.

Porém, com o pecado, eles se tornaram mortos, espiritualmente, e escravos da incredulidade radical, sem nenhuma possibilidade de querer a Deus. Daí em diante toda a raça humana tornou-se depravada pelo pecado e incapaz de crer em Deus.

Alguém já disse: “Se um homem caído pudesse desejar, ele mesmo, ser salvo, com a mesma facilidade poderia mudar de idéia e desejar perder a salvação.” Se a nossa vontade, corrompida pelo pecado, fosse a base de nossa decisão salvadora, com certeza ela poderia mudar de idéia no meio do caminho e nós desistiríamos da decisão anterior.

Segundo João Calvino: – “o querer é humano; querer o que é mau é próprio da  natureza decaída, mas querer o que é bom é próprio da graça.” O ser humano caído, até pode escolher entre os ramos do bem e do mal, da árvores do conhecimento, mas nunca escolherá a Árvore da Vida, se antes não for convencido pelo Espírito Santo.

A fé não é um atributo da espécie caída. O que governa a raça adâmica são as realidades sensoriais e a fé não faz parte deste mundo tridimensional das sensações. Ela é o olho que vê o mundo invisível, como bem disse o escritor da carta aos Hebreus:

a fé é o alicerce firme do que se espera e a convicção permanente do que não se vê.

O ser humano no pecado é um incrédulo por natureza. Sendo assim, ele jamais poderá crer, se antes não for vivificado pela Palavra. É preciso ter vida espiritual, para que ele possa reagir de modo espiritual. A fé é concedida pela graça aos crentes em Jesus.

Gosto de pensar nessa semelhança apresentada por C. S. Lewis: o sol nos dá a luz para vermos o sol, assim como Jesus, o Verbo Divino, nos dá a fé para cremos nEle.  Sem a luz não temos a nossa visibilidade e sem o Logos de Deus não temos a nossa fé. Se Jesus disse a alguns crentes: “a tua fé de salvou” é porque eles receberam a sua fé ao “olharem” para o Autor e Consumador da fé. E, se olharam, é porque a graça os fez olhar.

A fonte da fé é Jesus; o veículo da fé é o Logos de Deus; a autoridade da fé a revelação de Deus; a sustentação da fé é o Espírito de Deus; a garantia da fé é a graça de Deus; a validade da fé é a eternidade de Deus e o propósito da fé – os filhos de Deus.

Mendigos, a fé são os olhos que veem a Cristo com os óculos de Cristo e, por isso, suas asas voam até Ele mesmo. Nunca haverá fé sem a revelação de Cristo e não há revelação dEle sem a ação da Palavra e do Espírito Santo. Jesus é o único autor da fé e sem Ele ninguém poderá crer nEle. É isso.

Do velho mendigo do vale estreito,

Glenio.

série do PECADO – o pecado dos pecados 2

PECADO 09

O PECADO DOS PECADOS II

(parte um)

De outra feita, lhes falou, dizendo: Vou retirar-me, e vós me procurareis,

mas perecereis no vosso pecado; para onde eu vou, vós não podeis ir.

João 8:21.

Vamos caminhar um pouquinho mais na tentativa da definição do pecado como o agente dos pecados. No primeiro esboço, na apresentação deste tema, vimos que Jesus conceitua o pecado como a incredulidade do ser humano em relação à sua pessoa. Ele disse claramente que o Espírito Santo, quando viesse, persuadiria o mundo do pecado, da justiça e do juízo e, esclareceu: do pecado, porque não creem em mim. João 16:9.

Para Jesus o pecado é a descrença em sua pessoa e o assunto é antiqüíssimo. O primeiro pecado, na verdade, estava ligado à pessoa de Javé Elohim. O Criador do universo é denominado na Escritura de Elohim, nome que expressa uma pluralidade ou a Congregação Soberana da Trindade, a Coletividade eterna da Unidade Divina.

Um dos membros deste Conselho é Javé Elohim, o Formador do ser humano e o Deus da redenção. Então, formou o SENHOR Deus ao homem do pó da terra e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida, e o homem passou a ser alma vivente. Gênesis 2:7. A tradução, Senhor Deus, vem da expressão hebraica Javé Elohim, destacando a identidade da segunda pessoa da Trindade ou o Verbo eternal, o Filho eterno de Deus Pai.

Javé Elohim formou o homem do pó da terra e o colocou no Jardim do Éden para cultivá-lo e guardá-lo, dando-lhe esta ordem: De toda árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás. Gênesis 2:16-17.

Adão ouviu a palavra de Javé Elohim quando Eva ainda não tinha sido concebida. A Bíblia não diz que Javé Elohim tenha falado com Eva antes do pecado. Tudo o que ela sabia sobre a ordem divina parece vir do marido e não de Javé Elohim, pois há alguns equívocos em sua noção sobre o assunto. E agora? Estas informações imprecisas seriam idéias próprias dela ou uma comunicação confusa proporcionada pelo marido?

4163-nailed to the cross_edited.630w.tn

Na conversa com a cobra, Eva não sabia quem havia dado a ordem, pois mencionou o nome de Elohim, ao invés de Javé Elohim. Ao se referir à árvore proibida fez menção daquela que está no meio do jardim, a árvore da vida. Adicionou conceitos novos, garantindo que não era para tocar no fruto. Passou o sujeito que recebeu a ordem, do singular para o plural e, omitiu da citação uma palavra chave (livremente).

A Bíblia, além disso, assegura que há uma teia ardilosa neste episódio, ao descrever: Adão não foi iludido, mas a mulher, sendo enganada, caiu em transgressão. 1 Timóteo 2:14. Tudo faz crer que o engano teve como embasamento a falta de exatidão da mulher em relação à ordem divina, além da persuasão da serpente, é claro. Mas, se Eva não se encontrava devidamente esclarecida sobre o assunto, sendo ludibriada pela serpente, quem foi o responsável pelas informações que obteve?

Adão não foi iludido. Ele sabia muito bem o que Javé Elohim havia dito, mesmo assim ele transgrediu a ordem. Acredito que esta desobediência vem antecedida de uma sutileza de incredulidade à palavra de Javé Elohim. Se ele tivesse crido de fato na pessoa de Javé Elohim e na sua palavra, com certeza não teria desobedecido.

Ora, se Adão não foi iludido, temos que concluir que a sua transgressão foi voluntária e por incredulidade, enquanto a de Eva foi por engano. Ela foi tapeada e todos nós corremos os mesmos riscos, quando não damos crédito à exatidão da palavra de Deus.

Notemos como o apóstolo Paulo trata este tema terrível com agudeza mostrando que, assim como Eva foi trapaceada, nós também podemos ser.

Mas receio que, assim como a serpente enganou a Eva com a sua astúcia, assim também seja corrompida a vossa mente e se aparte da simplicidade e pureza devidas a Cristo.

2 Coríntios 11:3.

Vimos, no estudo anterior, que a fé é um produto do ouvido atento à palavra do Senhor Deus. Ela não é propriamente uma visão de Deus, mas a escuta precisa e meditativa de sua voz, no escuro. A ciência cogita em demonstrar as evidências dos fatos, enquanto o fato da fé é crer na palavra de Deus, sem necessidade de quaisquer evidências.

Javé Elohim fez o homem com a condição de crer na sua palavra. Adão foi o único homem com livre-arbítrio, uma vez que ele era dotado da capacidade de crer na palavra de Deus, bem como de não crer. Ora, se crer na palavra de Deus é o propósito Divino para o ser humano andar com ele, então, não crer é a essência do pecado.

Alguns teólogos sérios dão esta descrição ao caso do pecado no Éden. Adão decaiu de seu estado de retidão original (status integritatis)– em que lhe era possível pecar ou não pecar (posse pecare aut posse non pecare) – e assim se tornara morto em pecado e inteiramente corrompido em todas as suas faculdades (status corruptionis) – em que não lhe era mais possível não pecar (non posse non pecare).

Ora, se Jesus está correto ao definir o pecado como sendo não crer nele, então Adão pecou quando não creu na palavra de Javé Elohim, com isso toda a sua descendência se tornou incrédula por natureza, e assim ninguém pode crer nele, sem um milagre Divino em sua vida. Uma vez que todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus,Romanos 3:23, só algo sobre-humano pode levar alguém a crer em Jesus como o Filho de Deus. Crer que Jesus é o Cristo, sem dúvida, é o milagre da libertação do pecado.

O ser humano que permanece no pecado é aquele que vive continuamente descrendo da palavra de Deus e descrente na pessoa de Cristo Jesus. Quem é de Deus ouve as palavras de Deus; por isso, não me dais ouvidos, porque não sois de Deus. João 8:47. O homem no pecado está morto espiritualmente, sendo incapaz de ouvir a voz de Jesus. Ele primeiro precisa ser vivificado pelo Espírito através da pregação da palavra de Deus.

Se o pecado é não crer em Jesus, sendo incredulidade radical à sua pessoa, então, todo aquele que vive no pecado, vive na condição de não posso não pecar (non posse non pecare), isto é, não posso ser senão incrédulo. Todos nós nascemos neste mundo descrentes por natureza e rebeldes à pessoa e obra de Jesus Cristo. Quem dentre vós me convence de pecado? Se vos digo a verdade, por que razão não me credes? João 8:46.

(continua quarta-feira)

O velho mendigo do vale estreito, Glenio.

PÁGINA NO FACEBOOK