migalhas para mendigos 11 – o amor de Deus não é permissivo

Eu estive lendo algo de Donald Barnhouse, e ele disse: “O amor de Deus não é uma bondade natural permissiva como muitos imaginam e, por isso, o arrastam na lama; é rigidamente justiça e por esse motivo Cristo morreu.” Mas Cristo é justo e amoroso.

Por que quem Cristo morreu? Por gente de barro, quebrada, enlameada e suja.  Morreu em favor de quem a Trindade elegeu na eternidade, mas caiu; por isso, teve que justificar na cruz e dar vida a essa gente morta em pecados, chamando, daí, eficazmente ao dom do arrependimento e da fé na suficiência do Cordeiro imolado na cruz.

A cruz é o trono em que a Divindade consegue conciliar o amor e a justiça, sem banalizar o primeiro, usando de tirania com a segunda. O amor e a justiça se congraçam tão bem no sacrifício do Cordeiro, que a Trindade é capaz de ser perfeitamente amorosa com o pior pecador, embora não seja indiferente ou condescendente com o pecado.

A Trindade amou o mundo antes que o mundo existisse. Ela continua amando a todos os Seus do mundo, mesmo depois que todos se tornaram imundos por causa da lama do pecado. A Trindade não perdeu o controle do mundo em razão do húmus sujo.

dscf06032

O Deus Triúno não deixará de amar os Seus imundos que estão neste mundo de poeira e lodo, atolados no pecado. Mas o amor de Deus não é uma permissão para que vivamos enlameados. Ser salvo e achar que é normal viver na lama, é um absurdo. O bebê pode sujar as suas fraldas, mas não pode viver com as suas fraldas sujas.

Porque Deus nos ama como pecadores, isto não significa que devemos viver chafurdados no lodaçal. O filho de nome “pródigo” pode ir até ao chiqueiro e tentar comer lavagem, todavia, teve chance de cima de cair em si e voltar-se para a casa do Pai.

A Trindade tem todo poder de libertar, amorosamente, o imundo, levando Cristo a morrer por ele, e, ao mesmo tempo, fazer com que esse imundo morra para o mundo, na mesma cruz com Ele, para, em seguida, fazê-lo viver em santidade. Aqui o amor toma o lugar do réu na cruz, mas a justiça exige que o réu seja incluído no mesmo sacrifício.

Se Cristo morreu pelo pecador, como propõe o amor gracioso da Trindade, e o pecador foi unido a Cristo, como determina a justiça Divina, então, não são sustentáveis as propostas que, em nome do amor de Deus, possamos viver comendo a lavagem deste mundo imundo naturalmente. Não é da natureza dos filhos de Abba essa dieta de porco.

Tornar o amor da Trindade o patrocínio de murmuração e imoralidade é sujeira própria daquele que não conhece nem o amor, nem a justiça. Mendiguinhos, precisamos crer que os nossos maiores pecados são minúsculos diante do infinito poder da justiça de Cristo, porém, nossa insignificância é maiúscula perante seu amor eterno e incondicional ao libertar-nos de toda sujeira.

Do velho mendigo do vale estreito,

Glenio.

migalhas para mendigos 10 – a incompreensível soberania

Bem sei que tudo podes, e que nenhum dos teus planos pode ser frustrado. Jó 42:2.
Se Deus for soberano, Ele vai querer o que bem quiser. E se Ele for onipotente, tem poder para fazer tudo o que quiser. Assim, Deus tem o Seu poder de fazer coerente com a Sua soberania de querer, por isso, tudo o que Ele quiser, pode fazer perfeitamente.

Sabemos que Deus, sendo Deus, faz tudo o que quer e nada pode impedir os Seus propósitos. O profeta pergunta em nome do Senhor: agindo Eu quem impedirá? Se Deus quiser, Ele pode fazer. Neste caso, se o plano de Deus para a humanidade for levar todos à salvação, então Ele o fará, sem que ninguém impeça a Sua vontade.

IMG_0872.JPG
Agora, o impasse: nem todos serão salvos. Então, é porque Deus não pode ou porque não é o Seu propósito salvar a todos? Esta é uma questão difícil de explicar desde que nosso objetivo seja missionário. Não conseguimos entender um Deus que não queira salvar a todos. É complicado pensar que Deus só salva se Ele quiser. Mas se pode fazer o que quiser e não salva quem se perdeu, é porque não era Seu plano salvar?

Ora, se Deus for soberano e onipotente, Ele pode fazer tudo o que quiser e, se todos não forem salvos, então podemos concluir que não é a Sua vontade salvar a todos?

Muitos se indignam com essa possibilidade, porque pensam que o objetivo de Deus é de beneficiar o ser humano de qualquer jeito. Estaria obrigado a salvar, custe o que custar?

Porém, se Deus for Deus, não está sujeito a ninguém. Ele salva quem quiser e quando quiser. Na verdade, os salvos foram salvos na eternidade. Isto pode até parecer injusto, porém, quando analisamos que Ele não tem a obrigação de salvar a ninguém e que todos estão condenados pelo pecado, não há a menor injustiça em salvar alguns; o que há, de fato, é graça plena, pois Ele só salva sob os fundamentos do demérito.

Precisamos lembrar que Deus é soberano, que tem todo poder e que ninguém O pode impedir de fazer o que quiser. Que tudo o que Ele faz está diretamente ligado com a Sua glória e nunca com os nossos interesses. Que tanto a salvação do pecador indigno, como a condenação do presunçoso tem, como pano de fundo, a Sua soberania e glória.

Todos os pecadores merecem ir para o inferno. É justa a condenação de todos, logo, se Deus salvar alguns, Ele não é injusto para com os condenados, embora seja mui gracioso para com os salvos. A questão, agora, é: por que, então, Ele não é gracioso para com todos? Seria Deus Soberano? Não? E agora?

Quem és tu, ó homem, para discutires com Deus?! Porventura, pode o objeto perguntar a quem o fez: Por que me fizeste assim? Romanos 9:20. É impossível crermos na graça plena, sem a plena graça agindo em nós.

Mas, vamos lá. “Deus não pára para consultar-nos”. Ele faz tudo o que faz por ser quem é: Soberano, embora não seja déspota.

Do velho mendigo do vale estreito,

Glenio