gotas de generosidade XX

drops-in-the-petal-lilac-303167

É um fato surpreendente a generosidade dos pobres. Certo ex-indigente contou-me que é mais fácil receber solidariedade de gente pobre do que dos ricos. Quando ele pedia um prato de comida, os pobres sempre se mostravam mais prontos a repartir do pouco que tinham.

“Parece que os ricos têm medo de ficarem pobres”, ressaltou com ironia.

Um dos meus sobrinhos esteve no Nordeste numa época de Natal, quando sua barraca  foi assaltada no camping. Sem lenços, nem documentos, sem dinheiro, teve que recorrer à ajuda de outras pessoas para poder sobreviver, até receber o suporte da família. Mas, quem lhe deu ajuda? Disse-me que nenhum rico se propôs a isso. Só os pobres.

Como vimos, em outra Migalha, os ricos realmente são muito pobres – só têm grana e muita ganância para ter ainda mais, enganando-se com a opulência. O pavor da miséria deixa o sujeito miserável, mesquinho, sovina, sonegando um trocado a quem precisa.

A vida na graça precisa nos libertar desse beco apertado por receio de vir à falência. O terror da penúria esmaga a alma no sufoco da possível escassez. Todos nós carecemos ser resgatados desse ego tímido, carente e careta que vive assombrado com o amanhã.

hunger

Ninguém deve ser pródigo, esbanjando o que conseguiu com seu trabalho, sem quê nem pra quê, nesse consumismo atroz, todavia, não necessita viver como avaro com os bolsos costurados e lacrau no fundo, com medo de perder o que granjeou. Nada disso é saudável. Nem o pródigo, nem a pro-ditadura da avareza.

Segundo aquele ex-mendigo que conversei, os pobres parecem mais generosos do que os que só têm dinheiro. Para estes, temos a mensagem de alerta dada por Eugene Peterson em sua versão bíblica, A Mensagem:

Eles esbanjam doações aos pobres — uma generosidade que não tem fim. Uma vida honrada! Uma vida bela! Salmo 112:9.

Uma vida bonita é vivência que se importa com aqueles sem importância, que batem à porta, sem nada para cambiar neste mundo das trocas de favores. É ser generoso em gênero, número e grau com o carente que carece de cuidados. Mas não estou falando de fome zero onde o governo permuta as bolsas, sem alça, pelos votos alçados das massas sob os efeitos das manobradas políticas.

Jesus curou, certa vez, um homem de mão mirrada, mas muitos de nós precisamos ser curados da doença da mão amarrada, que nunca enfia no bolso para contribuir em favor da obra que precisa de cuidados especiais.

Mendiginhos, como dizia William Walsh,

“um ato generoso é sua própria recompensa.”

Não esperem a retribuição da generosidade. Os generosos se contentam, mesmo sem a menor compensação. Sejam alegres em participar da solução dos problemas dos menos favorecidos.

No amor do Amado,

do velho mendigo do vale estreito,Glenio.

CLIQUE E CURTA A PÁGINA DO AUTOR NO FACEBOOK

gotas de generosidade XIX

Ora, aquele que dá semente ao que semeia e pão para alimento também suprirá e aumentará a vossa sementeira e multiplicará os frutos da vossa justiça, enriquecendo- vos, em tudo, para toda generosidade, a qual faz que, por nosso intermédio, sejam tributadas graças a Deus.

2 Coríntios 9:10-11.

bigpreview_new-life-wallpaper

Sofro ao ver os picaretas da fé usarem a Bíblia para explorar a crendice dos ingênuos. Sei que muitos deles se utilizam deste texto para incentivar os incautos, embora interesseiros, a contribuir para os seus objetivos. Apelam a maior semeadura, movida à ambição. É bem verdade que, se você semear mais, terá maior probabilidade de encher seus armazéns.

Mas, o perigo ronda à porta e precisamos examinar as motivações do negócio. O que me induz ao programa da contribuição na igreja? Estou interessado no Reino ou em alguma vantagem pessoal? Lembro-me de alguém que ficava excitado com a possibilidade de ser abençoado, nos seus negócios. Para ele, o importante, “na obra”, era a sua prosperidade.

Não nego a lei da plantação e safra, o que me incomoda é a avidez pelos resultados, que me dizem respeito. Vejo que a ganância acaba esganando o projeto da disseminação. Eu estou investido apenas com o interesse de ser beneficiado? Não é a generosidade, em si, que está em pauta, mas a prosperidade desse general “generoso” que contribui.

Li esta ilustração que transcrevo:  “Depois do grande incêndio em Chicago, em 1871, o evangelista Moody foi a Nova York para solicitar fundos para as vítimas. Quando chegou, foi apresentado a um homem abastado, que era conhecido por ser muito generoso.

generosidade_3

Impressionado pela grande necessidade em Chicago, ele deu a Moody um cheque com uma grande soma em dinheiro. Encaminhou então o evangelista para alguns homens de negócios que também doaram grandes contribuições.

Quando o Sr. Moody estava prestes a partir, ele apertou a mão do benfeitor e fez este comentário de despedida:

– Se alguma vez for a Chicago, visite-me. Retribuirei o seu favor.

O homem respondeu:

– Sr. Moody, não espere que eu apareça. Faça isso ao primeiro homem que encontrar.

Comentando esta experiência, Moody disse:

– Nunca esqueci esta observação. Tinha o som do verdadeiro Bom Samaritano. O homem era o tipo de doador que agrada a Deus. Movido pelas necessidades dos outros, de boa vontade deu o que estava ao seu alcance para aliviar os seus sofrimentos. Ele não o fez para ganhar atenção ou para satisfazer o seu ego. Nem sequer deu esta oferta de má vontade ou por necessidade, mas sim alegremente, como ensinado em 2 Coríntios 9.7″.

A receita é ótima, mendiguinhos, e vale a pena ser generoso sem ser ambicioso. Plante, mesmo que colha pouco ou até nada, aqui.

Do velho mendigo do vale estreito,

Glenio.

CLIQUE E CURTA A PÁGINA DO AUTOR NO FACEBOOK

gotas de generosidade XVI

abstract-water-drops-animated-drop-stock-photos-1400316

São quase dois mil quilômetros de distância entre Londrina, PR, e Parnaguá, Sul do Piauí, onde temos um pedaço de terra, herança familiar. Viajamos boa parte desse trajeto pela Trasbrasiliana que vive entupida de carretas. Por ser um trecho perigoso e uma via longa, até ao destino, os nossos filhos pediram para pararmos de fazer esta viagem de carro.

Além da distância e do trânsito intenso, enfrentamos também o problema do combustível batizado. Neste País laico, mas de política sórdida da religião corrupta, até os fluídos são batizados. Por duas vezes ficamos no “prego” do diesel adulterado. O pior, em posto BR.

Maldito é o homem que confia no homem, brada o profeta Jeremias. Mas esse assunto é mais complicado do que uma leitura rápida pode nos mostrar. Essa maldição é mais do que confiar nos outros, pois ela aborda a autoconfiança. Eu não sou confiável.

– Como assim? Indaga o meritocrata. Nós estamos sujeitos a equívocos, erros, visão distorcida dos fatos. Isto, e muito mais, nos tornam fiascos da vida. Não é só o diesel da Petrobras que é adulterado. Eu também sou uma fraude quando pretendo demonstrar que sou o que não sou. Nada pode ser mais falso do que a aparência humana.

Uma das grandes rejeições da pessoa de Jesus é porque ele não julgava pela aparência. Vejam como o testavam:

E enviaram-lhe discípulos, juntamente com os herodianos, para dizer-lhe: Mestre, sabemos que és verdadeiro e que ensinas o caminho de Deus, de acordo com a verdade, sem te importares com quem quer que seja, porque não olhas a aparência dos homens.

Mateus 22:16.

Ainda bem que é assim a visão de Jesus. Mas, fariseus, saduceus e herodianos juntos, têm arapuca no pedaço.

Os fariseus são mestres da hipocrisia; saduceus, os maestros da anarquia; herodianos os magistrais petistas de então. Não falo dos ideólogos do PT, mas desta corja do poder que vive de aparência. Eles fingem que não se interessam por dinheiro público e que querem o bem do povo, mas ao assumir o poder, dilapidam o erário. São larápios velhos e velhacos.

Eu me arrepio com a ideia de ser apenas um ser batizado. Assim como há combustível adulterado, políticos ladrões, religiosos falsificados, também há crentes fajutos; e tudo só batizado. Fala de algo que não se vive. Por isso a generosidade vem para trabalhar com o coração e jamais com a fachada. Não existe escala que estabeleça os limites de quem é generoso, nem relatório que o descreva. É coisa do coração diante do amor de Deus.

A coisa é séria, mendiguinhos, e ninguém fica oculto diante do amor incondicional de Abba. Preferiria responder por minha mordomia medíocre perante um juiz severo; arranjaria alguns argumentos de defesa, mas tenho que prestar contas diante da generosidade da graça, e, neste caso, não há desculpas? Por que fui omisso com a abundância de que fui alvo?

De qualquer modo, no amor do Amado, do velho mendigo do vale estreito.

Glenio.

PÁGINA NO FACEBOOK.

gotas de generosidade XV

drops_09_by_tienod

Estou agora na varanda da casa de uma propriedade no sul do Piauí. Esta é uma época cruel de seca brava e o cinza toma conta da região verdosa de outra estação. A beleza outrora da temporada das chuvas some por encanto na secura das árvores. Quase tudo fica aparentemente sem vida. Aos olhos superficiais vive-se aqui num mundo morto.

Eu nasci neste rincão seco e isolado do Brasil, que nem sei se é Brasil e tão pouco Piauí, já que continua sempre esquecido dos políticos de todos os matizes. Embora, para mim, esse é o velho Paraíso perdido, uma lembrança simbólica do Éden.

Segundo a arqueóloga francesa radicada no Brasil, Niède Guidon, a primeira fogueira da história do homem se deu bem aqui no Piauí. Com este pano de fundo arqueológico sou tendencioso para denominá-lo de meu Paraíso, pois é assim que o vejo.

Um amigo que o visitou no auge do estio, me sussurrou com ironia: – como você pode denominar esse torrão morto de Paraíso?  Mal sabe ele dos milagres dos céus. Deus, o Todo-Poderoso, todo ano, esconde a beleza do sertão como o manto cinzento das matas secas. Isto não é um truque de mágico, é apenas uma habilidade soberana do Criador.

Quando vêm as primeiras águas, porém, o cenário muda repentinamente, e, de um dia pro outro, aquele panorama triste da morte se reveste com a verdura da ressurreição. É algo de beleza indescritível. A vida exuberante toma conta da natureza e o Paraíso oculto eclode em esplendor, gerando abundância no mapa.

O sertão sofrido é muito generoso.

A vida que nasce da morte é generosa. Todo cristão legítimo também é produto da tumba vazia e da vida abundante da ressurreição. Não há filhos de Deus em tons cinzas; eles são como o Fênix que ressurge das cinzas, recobertos da vida plena que vence a morte, por isso mesmo, são a espécie da generosidade. Filho de Deus mesquinho é improvável.

O sertão com certeza floresce depois das primeiras águas. Bem-aventurado o homem cuja força está em ti, em cujo coração se encontram os caminhos aplanados, o qual, passando pelo vale árido, faz dele um manancial; de bênçãos o cobre a primeira chuva. Salmos 84:5-6. O vale árido ou vale de Baca é o vale das lágrimas que regam as dores que vão às portas da aurora onde a esperança faz a sua morada cada manhã. A primeira chuva da ressurreição é a causa de uma vida plena de amor, esbanjando generosidade.

A geografia desta região árida é uma boa metáfora para a interpretação da vida cristã em sua realidade espiritual. Antes éramos secos e improdutivos, mas quando foi crucificado o nosso velho Adão com Cristo, ganhamos na madrugada do primeiro dia da nova semana da redenção a vida generosa capaz de fazer desses indigentes miseráveis, os mendigos mais generosos com o porte de Sua Alteza, no Reino da graça. Vale a pena experimentar este tipo de biografia.

Do velho mendigo do vale estreito, Glenio.

PERFIL NO FACEBOOK

GOTAS DE GENEROSIDADE XIII

desteladodaressurreicao-28
Na última Migalha, abordamos a questão do discernimento ante o descaramento da turma que anda à mão armada com a Bíblia, extorquindo os incautos. Falamos da velhice desse crime e da sua universalidade. Vimos que é coisa antiga e que engloba todos os sistemas das religiões em geral. Por isso, precisamos discernir quem é quem nesse imbróglio.

 
Se Deus tem aseidade, isto é, se Ele não precisa de coisa alguma, por que, eu, que tenho muitas necessidades, devo contribuir para a obra de Deus? Como uma pessoa carente de recursos é convocada a colaborar com a obra de alguém que de nada precisa?

 
Mas, quem disse que a minha cooperação visa ajudar a Deus? Quem teve essa idéia? Na verdade, quando eu participo nesse mister, é porque Deus, graciosamente, está agindo em meu íntimo para poder ampliar as dimensões de minha alma raquítica. Ele não precisa de coisa alguma, embora eu precise ser dilatado em meu coração com o Seu amor.

 
Amy Carmichael foi uma pessoa miúda e enferma, um toco de gente; viveu doente como uma missionária por toda a sua vida, na Índia, sem murmuração, expandindo com alegria o seu odre em generosidade. Ela fundou um orfanato para cuidar das crianças carentes e dedicou toda a sua existência sofrida em favor dos menos favorecidos.

 
Sua história é interessante. Todos, em sua casa, tinham olhos azuis, mas Amy, o sétimo bebê da família Carmichael, nasceu com os seus castanhos. Um dia, como criança, fez uma oração pedindo a Papai do céu para tornar os seu olhos azuis. Quando acordou pela manhã, foi logo ao espelho. E que cor estavam os seus olhos? Castanhos.

 
Bem cedo, Amy aprendeu que Deus nem sempre responde como a gente pede. Mas, ela também aprendeu que Ele faz muito mais do que a gente pensa. Deus usou a menina de olhos castanhos, que ficou frustrada com a sua oração não respondida e por ser franzina, frágil e enferma, para ter uma visão azul do mundo, com olhos castanhos.

 
No Reino de Deus a morte é anterior a vida e a divisão expande a visão. A semente morre primeiro para depois renascer, e aí recebe o calor do sol, a umidade da chuva, a seiva da terra, o sopro dos ventos, a seca, as bênçãos e as tormentas, para, então, poder devolver ao semeador os grãos, as espigas e os frutos. A morte para o ego é uma vida abnegada.

 
Fomos crucificados com Cristo, a fim de termos a vida em expansão generosa e sermos instrumentos de bênção no mundo das misérias. Francisco de Assis dizia: “é dando que se recebe”. Seria tão bom se déssemos amor! Mas não confunda amor com posse.

 
Mendiguinhos: só para afinar as ideias com a ironia de Oscar Wilde. “Dar bons conselhos – as pessoas gostam de dar o que mais necessitam. Considero isto a mais profunda generosidade”. Já que precisamos sair da teoria para a prática, olhe ao seu lado e veja quem está na mira. No amor do Amado.

 

 

Do velho mendigo do vale estreito. GP.

gotas de generosidade X

drops

Lucas, o médico dos Evangelhos, registra uma parábola de Jesus sobre a figueira que se exibia, mas era estéril. Depois de três anos de cultivo, nada de fruto na planta. Sendo a árvore uma espécie frutífera que ocupava um espaço no pomar, embora, sem nenhum pomo, o Dono do quintal achou que essa figueira era dispensável e ordenou ao horticultor que a tirasse do pedaço. Ele não queria mais essa fruteira sem frutos, em seu terreno.

Foi aí que o viticultor pediu tempo. Colocou-se à disposição do Proprietário para dar um jeito naquela situação. Iria estrumar e cuidar da planta por mais uma temporada, dizendo:

Se vier a dar fruto, bem está; se não, mandarás cortá-la. Lucas 13:9.

O Senhor da vinha dá anuência ao zelador, ficando quieto. Quem cala, consente. Uma nova chance foi dada à produtividade  e a figueira ganhou a oportunidade de se tornar, de fato, generosa. Sem fruto é que não podia ficar. Quem não frutifica, foice nela.

Tudo indica que Jesus estava apontando para o seu povo. O Judaísmo havia se tornado um arbusto inútil no jardim de Deus. Não tinha frutos. Um triênio do ministério de Jesus já havia se passado e nenhum figo na figueira de Israel. Eta povinho improdutivo!

Depois de alguns meses a estação da foice aconteceu na crucificação do velho Adão. Se alguém for desarraigado desse mundo, através da co-crucificação com Cristo, certamente irá renascer em novidade de vida, dando frutos bons e generosos. A vida que nasce da morte é frutífera. Não há esterilidade no âmbito de uma biografia ressurrecta.

Ser uma figueira, sem sequer um fruto, é ocupar um espaço em vão no pomar. Viver uma existência oprimida pelo medo de perder e sem o menor gesto de generosidade, é viver no mínimo, a encarnação da mediocridade. John Andrew Holmes foi preciso: “Não existe exercício melhor para o coração do que se inclinar e levantar pessoas”.

Ser generoso nos libera da tirania de nossas próprias necessidades, abrindo os nossos corações para os mundos desconhecidos, ocupados pelas necessidades dos outros. Não posso viver intensamente quando vivo só preocupado com o meu mundo estreito, mas repleto de egoísmo. Talvez eu tenha que concordar com Mark Twain: “O melhor modo de se animar é tentar animar uma outra pessoa”. Uma gota de afeto pode afetar a muitos.

Todos nós que somos mendigos, alcançados pela graça, temos oportunidades diárias de exercitar os bons momentos, dando alguma gota de generosidade. Mas não me venham com estas desculpas esfarrapadas de que – “já estou fazendo o bastante” – apenas para tirar o corpo fora da comissão: Por isso, enquanto tivermos oportunidade, façamos o bem a todos, mas principalmente aos da família da fé. Disse Paulo em Gálatas 6:10.

Plantem árvores frutíferas. Cultivem as que têm colheitas rápidas e ainda as tardias que vocês nunca comerão dos seus frutos.

No amor do Amado, do velho mendigo, Glenio.

gotas de generosidade IX

 drop-of-water[1]

Alguém me buzinou: “tem gente que não dá nada a ninguém; nem morta”. Respondi: – é necessário morrer primeiro para depois dar. Segundo Jesus, o grão de trigo precisa antes de tudo morrer a fim de frutificar. Essa é a lei da semeadura e da ceifa. Só a morte do ego pode patrocinar as dádivas generosas. Não há benevolência sem a falência do egoísmo.

Aliás, vamos alinhar o assunto com a doação de órgãos? Por que será que muita gente não quer doar os seus órgãos depois que morre? O que estaria por trás desta recusa? É no mínimo esquisito um vivo determinando as suas decisões depois da sua morte.

Quem morreu não deveria ter mais vontade para opinar o que fazer com os seus pertences. O problema é que, antes de morrer, essa pessoa já deliberou que jamais doaria parte do seu corpo para beneficiar a vida de alguém. Mas, por que razão?

Descobri que alguns têm medo de ficar deformados na ressurreição final. Foi assim que a jovem me surpreendeu: – se eu doar as minhas córneas vou permanecer cega por toda a eternidade. Indaguei: – como assim? – Cega; não poderei ver, pois doei os meus olhos.

– Quais os olhos que você doou? – Os meus? – Quais os seus? Foi aí que argumentei sobre a renovação das nossas células. Inquiri, – quantos anos você tem? – 29 anos. – Então, as células dos seus olhos já se renovaram quatro vezes. E aí? Qual é o da vez?

Cada sete anos, com exceção dos neurônios, todo o nosso organismo se recicla. Somos novos, novinhos, ainda que estejamos envelhecendo. Se eu morrer agora com os meus 68 anos, qual será o corpo que irá ressuscitar, já que o ralo levou para o esgoto quase 10 vezes o meu organismo? Eu não sou o mesmo que nasci. Que corpo voltará à vida?

Além do que, Deus, quando criou o mundo, criou do nada. Quem criou do nada tudo, pode ficar restrito a um corpo que agora não é quase nada do original? E o apêndice que foi retirado em 54 e a vesícula em 2002? Eu quero intactos na ressurreição. Bobagem.

Que Deus pequeno é este que não restaura os órgãos doados? Prefiro ficar com Jesus que foi capaz de se dar por inteiro para substituir pecadores podres e pobres, incapazes de abrir mão de sua córnea para dar visão a algum ceguinho carente.

Acredito que a questão da doação de órgãos está ligada ao velho egoísmo de sempre. Se não vou usar, outro não vai usufruir do que é meu. Pode apodrecer, mas eu não dou. Há muita gente que vive aprisionada num mundo muito apertado. Tenho pena deste tipo.

Alguns dão por humanismo; por solidariedade. O cristão dá por amor. Mas amor sem uma troca embutida. Por isso é preciso, antes de tudo, a morte do egoísta em Cristo para que ele possa abrir o seu coração à verdadeira generosidade.

Aqui, meus queridos mendigos, vai a receita do evangelho: de graça recebestes, de graça dai. Mateus 10:8.

No amor do Amado, do velho mendigo do vale estreito, Glenio.