O ESPÍRITO DA CRUZ .110 – UMA TOCHA DA TUA GRAÇA

Na nossa família nuclear, os partos e parições da prole são sempre cheios de emoções, acima da média. As coisas vão desde gravidez assistida e inadequada, até bolsas rompidas e cesarianas com risco de morte. Quase todos os partos dos nossos 4 netos foram sempre trepidantes. Viagens às pressas e muita turbulência pelo caminho. Nada rotineiro.

Aliás, rotina no nosso dia a dia tem pouca rotina. Os dias são quase sempre bem cheios de fatos diferentes e inusitados. Tenho hábitos cotidianos, mas continuamente são quebrados por algum acontecimento não esperado. Depois do WhatsApp e da internet a vida de quem exerce alguma missão espiritual ficou mais intensa e invasiva. Vira e mexe algo fora de série pula, sem avisar, no perímetro de suas cogitações.

Mas voltando aos partos… o último também foi intenso. Tínhamos pelo menos mais 2 semanas pela frente, segundo os cálculos, quando a bolsa da minha nora rompeu, e, no dia seguinte eu tinha um casamento de filhos de irmãos bem próximos para celebrar. E agora? Não dava para viajar a São Paulo imediatamente. Nos compromissos do domingo e da 2ª feira, pregando num culto de comemoração do estado de Israel, eu poderia ter quem me substituísse, mas no casamento, não. Tinha que ficar para festejar com meus irmãos.

Então, minha esposa foi com nossa filha caçula e os netinhos que passavam uns dias em casa, alegrando o coração dos avós. No meu íntimo ficou a dor: você poderia estar lá para receber a sua netinha Helena, (raio de sol). É verdade, mas não sou ubíquo. Não posso estar em dois ou mais lugares ao mesmo tempo. Era a minha crise naquele instante.

Chegava a hora do casamento, marcado para as 16:00 horas do dia 12/05 e às 15:53 veio uma foto de Heleninha rasgando o ventre da mãe. Que emoção! Saí chorando por entre as árvores da chácara. Ainda bem que o casamento atrasou um pouco, mas não o suficiente para me refazer. Entrei com o coração palpitando e as pernas trêmulas.

Queria estar em Sampa abraçando meu filho Leonardo, a nora Livia, e lamber a cria como todo avô babão. Lembrei-me de Helena da mitologia grega, filha de Zeus e Leda, que se tornou a mulher mais bela do mundo. Lembrei-me de Helena Keller, a mulher cega e surda que se tornou um fenômeno da comunicação no séc XX. E, orei, Tu que és o Pai de amor, fazes de nossa Heleninha uma tocha da tua graça neste mundo sombrio e caótico.

Lembrando-me da Helena de Tróia, que segundo as Ilíadas de Homero, a guerra de Tróia foi causada pelo rapto da rainha Helena, esposa do legendário rei Menelau, então eu pedi: não permitas que nossas Helenas e Lauras e Vitórias e Felipes e Pedros e Paulos e… sejam raptados por este mundo louco de gente sem a luz da verdade do amor de Jesus.

Mendigos, precisamos da sabedoria do Alto pra criarmos os nossos filhotes com a coerência entre o amor sem medida e a medida dos limites.

Do velho mendigo, GP.

O ESPÍRITO DA CRUZ .109 – O COMUNISMO DE JESUS

Um jovem universitário, trajando farda de militante e cingindo-se da ideologia com a cor – casca de romã, sugeriu-me: você não acha que Jesus era socialista? Como fique com um ar de reflexão, ele deu logo o tiro no alvo: – Jesus não foi o primeiro comunista?

– Acho que sim, mas preciso saber o que você quer dizer com comunista. Então, ele debulhou as cartilhas de Marx e Antônio Gramsci e delirou com um Jesus histórico, que se envolvera num processo político de redistribuição de riquezas, combate às castas sociais e desigualdade em todos os níveis da sociedade. E foi longe no seu devaneio treinado…

E agora? Acho que isto que você falou não se encaixa com aquilo que seria este socialismo comunista de Jesus. Eu creio que Jesus foi um homem coletivo, sim, e que veio com um programa solidário e igualitário, mas o seu comunismo tem uma vertente bem diferente desta apresentada por você. Vou tentar resumir o que penso aqui sobre isso.

Você falou numa redistribuição de riquezas e numa igualdade social. A questão é: quem vai redistribuir as riquezas? Será que não corre o risco do administrador desta redistribuição, seja: Estado, partido ou ditador, se tornar a elite no sistema, já que, quem parte e reparte, fica sempre com a maior parte? Será que a cúpula desse sistema não se distinguirá e acabe virando o pico da pirâmide, detendo mais poder e tendo mais grana?

Você falou que Jesus propôs redistribuir as riquezas. Então, quem concorda com a tese, diz: “a diferença do socialismo de Jesus para o socialismo político é simples. No socialismo de Jesus, você pega o que é seu e reparte com o próximo. No socialismo político você pega o do próximo e reparte com os seus”. Você já viu isto nos modelos políticos?

O silêncio do jovem mostrava a sua ruminação. Parecia fazer um exame no seu software mental; depois de um tempo, sacudiu a cabeça dando sinal que sim. Então, disse: o socialismo de Jesus sempre começa no coração e logo a seguir vai ao bolso, porém, sem nenhuma tirania ou desonestidade. Jesus foi pobre, mas enriqueceu a muitos.

Quero terminar dizendo que Jesus foi realmente comunista. Mas o comunismo dele foi na cruz. Ali, quando morreu, foi solidário conosco e nos levou a morrer com Ele. Paulo viu assim este processo jurídico: Pois o amor de Cristo nos constrange, julgando nós isto: um morreu por todos; logo, todos morreram. Nada pode ser mais igualitário.

A cruz é o sinal de igualdade para uma sociedade injusta. O resumo é: não mais eu, mas Cristo. Cristão é o resultado da morte do eu na cruz e da nova vida dada na tumba. O sábio Matthew Henry afirmou: “o homem é feito para a sociedade, e os cristãos, para a comunhão dos santos.” Isto é o comunismo dos crucificados. E o jovem calou-se…

Mendigos, “quem já ouviu falar de um marxista que no leito de morte tenha pedido que lhe fosse lido O Capital?” Fico com a Bíblia de Jesus.

Do velho mendigo, GP.

O ESPÍRITO DA CRUZ .108 – COMUNISMO OU CRISTIANISMO ?

“Em sua juventude, Karl Marx afirmava ser e vivia como um cristão. O seu primeiro trabalho escrito tem o título de: “A união dos fiéis com Cristo,” no qual lemos estas bonitas palavras: – “através do amor de Cristo nós voltamos nossos corações simultaneamente com nossos irmãos que estão intimamente ligados a nós e por quem Ele deu a si mesmo em sacrifício”. Depois disso se tornou ateu. (cita Richard Wurrnbrand).

Lenin, pseudônimo de Vladimir Ilyich Ulyanov filho de mãe luterana e pai judeu convertido à igreja ortodoxa, tornou-se ateu aos 16 anos depois da morte prematura de sua mãe e da execução de seu irmão mais velho, envolvido numa ardilosa revolta contra o Czar. Lenin disse, certa vez, em seu programa: “Todos precisam ser ateus. Nunca alcançaremos nosso alvo enquanto o mito de Deus não for removido dos pensamentos do homem”.

Mais tarde, no auge de sua amargura crônica, ele gritou: – “Que importa se 90% da população da Rússia morrer, se os 10% sobreviventes se converterem à fé comunista”? Veja você que esta proposta não se trata apenas de uma ideologia, mas de uma crença.

O Rev. chinês, Andrew Ben Loo afirmou sobre isto: “O comunismo é inimigo de Deus. Ele ataca e nega aquele que criou o céu e a terra. Nós nos opomos ao comunismo não por causa da política, mas principalmente por causa de nossa fé em Deus, em Cristo, em sua Palavra, a Bíblia, e em sua igreja”. A tese comunista é de ordem anti-cristã.

Alguém disse que o comunismo surgiu de berço cristão, mas nasceu sob o foco do ódio, da revolta e da anarquia. Há uma guerra sanguinária dos comunistas contra os cristãos. Para o Rev. Frederick H. Olert: – “o comunismo é o mais recente substituto diabólico do conceito cristão de reino de Deus”, embora, o escritor, A. W. Tozer fosse um pouco mais claro: – “o comunismo é o inimigo satânico do cristianismo”.

O pastor batista e teólogo contemporâneo Jonas Madureira, “ao falar sobre a possibilidade de um cristão ser ‘de esquerda’ ou marxista, foi enfático: “É como se a gente estivesse perguntando se o cristão pode ser ateu. A cosmovisão socialista em seu sentido puro, fundamental é anti-cristã, antagônica à fé cristã”. Parece claro, não?

Caminhando no mesmo ritmo e entoando na mesma toada, Dr. Stephen Travis, pergunta- “quem já ouviu falar de um marxista, que no leito de morte, tenha pedido que lhe fosse lido O Capital”? Muita gente lida com a idealização de um mundo igualitário, ou o jardim do Éden restaurado aqui e agora; só que o ego, o caos e a morte põem fim ao ato.

Mendigos, alguém disse que “a única diferença entre capitalismo e comunismo é que, no capitalismo, o homem explora o homem e, no comunismo, acontece o contrário!” Assim, não há sistema perfeito, o que há, são pessoas transformadas por Jesus, para uma missão de transformação do mundo por meio da cruz de Cristo.

Do velho mendigo, GP.

O ESPÍRITO DA CRUZ .107 – A VARA QUEBRADA

Fui pescar no rio São Benedito, no Pará, com uns irmãos. Primeiro, quero falar um pouco do tempo alegre com eles. Foram sete dias entre a viagem e as horas de lazer na pescaria. Como é bom e agradável conviver com os irmãos. Não tivemos nenhum momento de discórdia e cada dia foi leve e prazeroso como uma brisa suave soprada lá do Alto.

Durante este período aprendi algumas coisas: não precisamos de muito para se viver com maior contentamento; precisamos de união para se conviver com alegria e, ainda mais, trabalhar sempre com equilíbrio, em equipe. Éramos seis pescadores, dois por barco, mais um piloteiro para cada embarcação. Três equipes de três, que se revezavam.

Esse rio é chamado de rio novo, seu leito é selvagem, com varias corredeiras que exigem competência dos guias e estava em época de enchente. A pesca é esportiva, pega-se o peixe e solta-se em seguida e nele há uma quantidade considerável de espécies robustos.

No segundo dia, quando pescávamos próximo a uma cachoeira, fisguei algo que pesou pra valer. A traia que usava era compatível com a pesca, mas o bicho era bruto e senti o peso da idade. Sozinho não tiraria aquela piaba de baleia, nem que quisesse. Foi aí que a equipe entrou em ação. Depois de lutar um bocado com o peixe, pedi por socorro ao companheiro, pois estava cansado, já que a força do animal na correnteza era enorme.

Meu parceiro agora assume a carretilha e, como advogado de profissão vira num instante em estivador e vê o arranque descomunal do peixe, que quebra a vara. Estamos no canal sem saída. O monstro estava nos puxando pra corredeira, então o piloteiro entra em ação ligando o motor e dirigindo-nos a um lugar mais adequado, grita, Doutor!… entrega a carretilha ao pastor e puxa a linha com a mão, puxa com força. Foi uma luta de Titans.

Alguns minutos mais tarde essa equipe cansada exauriu a força da big pirarara de mais de 60 kg e o peixão foi jogado dentro do barco. Pra mim foi uma façanha ímpar, mas, antes de tudo, foi o trabalho de um time. Só uma equipe unida podia fazer o que fez.

Quando chegamos na pousada, lembrei-me de outra Vara quebrada que tirou-me do fundo da lama do meu pecado. Diz o profeta Zacarias 11:10 – tomei a vara chamada Graça e a quebrei, para anular a minha aliança, que eu fizera com todos os povos. Foi para anular a força deste pecado do mundo, que Jesus, a Vara da graça, foi quebrada no Calvário e, deste modo, desfez a aliança de condenação com todos os povos da terra.

Mendigos, Jesus, a Vara quebrada, tirou o pecado do mundo. Ao tirar aquela pirarara do rio com a vara quebrada ao meio, pensei que se não fosse a equipe, não poderia lograr êxito, então conclui: isso também aconteceu com a Trindade. Quando Jesus se deu para ser partido por nós, no domínio da morte, só o poder da Pai e do Espirito poderia tirá-lo das suas garras. Louvado seja a Eterna Equipe da Vara quebrada.

Do velho mendigo, GP.

O ESPÍRITO DA CRUZ .106 – AVIVAMENTO OU ANIMAÇÃO ?

A menina estava saltitante contando de sua participação na reunião de louvor na igreja de seu primo. – O culto era massa… todo mundo participava… a música tava legal e a coreografia das danças era demais… aquela cortina de fumaça dava a impressão da glória de Deus no templo de Salomão… cara, que show foi aquele culto, avivado!!!

O espetáculo da alma embriagada em seus sentimentos tem sido o diapasão para afinar o conceito de um culto avivado. A alma tomou o lugar do espírito, na igreja atual, e o culto avivado nada mais é do que o movimento de pessoas animadas se entretendo.

Pouca gente hoje sabe discernir o que é um avivamento e muitos o confundem com mera animação pessoal. Define-se avivamento como a vida de Deus vivida no espírito do ser humano; enquanto animação é um movimento frenético da uma alma excitada.

No avivamento teremos sempre entusiasmo e alegria, mas não, necessariamente, animação. O encontro de Elias com o Senhor não foi num terremoto, nem na tempestade, mas no sopro suave da brisa. O fato de haver agitação não significa que há vida de Deus ali. Darrel Bridges foi exato: “avivamento não é a tampa explodindo, mas o fundo caindo.”

As pessoas ansiosas têm dificuldade de esperar pelo avivamento. Elas imaginam como seria um, e passam a desenvolver estratégias para a concretização de algum. Todavia, os avivamentos nunca foram produzidos pelo esforço humano, mas pelo descanso daquele que esperar com paciência pela manifestação do Espírito de Deus.

Gosto do que diz Walter Chantry, e este seu pensamento é perfeito: “em nosso desejo bíblico por avivamento, precisamos recusar-nos a buscar qualquer experiência que se proponha a eliminar nossa fraqueza natural.” Aqui reside o grande perigo, uma vez que o avivamento não é o homem que é o protagonista, mas o Espírito Santo.

Para Edwin Orr, “a melhor definição de avivamento é ‘tempos de refrigério… na presença do Senhor’”. Devemos clamar pelo avivamento sim, e, ao mesmo tempo, refugiar-nos diante do Senhor, pois, enquanto estivermos esperando pelo avivamento geral, não teremos qualquer desculpa para não participar do nosso avivamento particular.

Não existe modelo, nem técnica para produzir um avivamento. “O verdadeiro espírito do avivamento está fora do controle do organizador ou do propagandista humano. Ele não pode ser criado por técnicas nem promovido pela tinta das impressoras”, disse James A. Stewart. O salmista foi categórico ao dizer: esperei confiantemente pelo SENHOR; ele se inclinou para mim e me ouviu quando clamei por socorro. Salmos 40:1.

Mendigos, o avivamento não é um aviamento que usamos para costurar nossos modelitos pessoais de igreja, mas um programa projetado no céu, para colocar o povo de Deus em andamento adequado com a santidade de Jesus.

Do velho mendigo GP.

O ESPÍRITO DA CRUZ .105 – A água da Vida

Vi um vídeo recente no WhatsApp que mostrava uma sala de cinema cheia de espectadores. Cada um ali recebeu uma garrafa plástica de água mineral limpíssima; era água potável de 1ª, mas a tampa estava fechada tão fortemente, que ninguém na plateia foi capaz de abri-las. Em seguida a sessão começa com um grupo de crianças pobres buscando água barrenta, imprópria para beber, em açudes enlameados, sujos e contaminados.

A cena era de chorar. Uma organização internacional, que lida com projetos de assistência humanitária, estava querendo sensibilizar aquelas pessoas, afim de ajudarem na aplicação de recursos para estes projetos. Ver todas aquelas pessoas com água potável, sem poder beber, porque a tampa estava lacrada e ver aquelas crianças pegando água suja ou poluída para saciar a sede, é constrangedor ao estremo.

Nesta hora fui movido a outro lado da realidade humana. Vi um bando de gente bebendo água podre nas torneiras das escolas e das igrejas, porque não sabe o que é Água pura. Não estou falando de H2O – mas da Água que mata a sede de significado. Estou me referindo a Água da Vida, aquela que Jesus disse:

quem tem sede vem a mim e beba.

Vendo aquelas crianças matando a sede física com lama e uma plateia tendo boa água sem poder beber, mas constrangida com o espetáculo, fiquei pensando: como é que nos sentimos, tendo Água pura e cristalina do céu, mas sem o menor constrangimento em nos envolvermos nos projetos de fazer chegar esta Água ao maior número possível?

Ficamos emocionados ao ver as crianças pegando água imunda, infectada com bactérias, contudo nem uma lágrima é derramada, nem um centavo é investido, em muitos casos, para suprir, com a Água da Vida, às pessoas que morrem de sede espiritual.

O vídeo é emocionante. Acredito que muitos saíram daquela sala rápido e foram direto aos promotores destes projetos. O que será que vai acontecer com os crentes que lerem este texto? O vídeo mostrou o drama. Aquilo que vemos nos impacta. Rogo ao Espírito Santo que nos revele isto, pois, se há Água da Vida para mim, eu preciso torná-la acessível aos outros. Não posso ser insensível diante da lama religiosa que há no mundo.

Não podemos ser indiferentes com as crianças bebendo água poluída, porém não podemos ser displicentes com os bilhões que estão sendo contaminados com o lodo fétido deste mundo caído, pois não estão saciados. Como disse Richard Sibbes “Todas as coisas terrenas são como água salgada: fazem aumentar a sede, mas não satisfazem.”

Mendigos, se nós já fomos saciados com a Água da Vida, precisamos investir no suprimento dEla para os sedentos deste planeta carente. É assim que Evangelho responde. Tudo está feito. Eu sou o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim. Eu, a quem tem sede, darei de graça da fonte da Água da Vida. Apocalipse 21:6.

Do velho mendigo, GP.

O ESPÍRITO DA CRUZ .104 – TRANSFORMANDO PRANTO EM DANÇA

A tristeza pode durar uma noite, mas a festa vem na madrugada. Este texto pode ser o símbolo da noite da crucificação e da aurora da ressurreição. Mas houve densas trevas no dia do Cordeiro imolado no Calvário e, a noite, após a cruz foi ausência de visão. A esperança de Israel, para um grupo, havia se perdido no breu da morte escura.

Naquela madrugada de 05 de fevereiro, a porta do nosso quarto se abriu e minha filha do meio com a netinha Vitória, de 20 dias, ao colo, quebra o silêncio do sono dizendo: a bolsa da Bela rompeu e está indo ao hospital. Isabela é nossa caçula que já teve um parto em que a bolsa se rompera e veio o nosso netinho Felipe de um jeito ligeiro e prematuro.

De novo a correria. Arrumamos as malas às pressas e saímos como foguete rumo a Campinas. Enquanto dirigia com o pé de Barrichelo, mas o espírito de Airton Senna, ouvia a minha esposa dando as notícias do WhatsApp que pipocavam. Não foi boa uma das informações. Quando o médico retirava um ponto da cerclagem do útero, rompeu a artéria e sangrou muito. O sangue reportava-me ao Calvário. E nós estamos agora num.

Eu guiava pedindo ao Guia eterno que nos guiasse rumo ao seu colo de descanso. O meu coração arrítmico estava açoitado pelos batimentos de um ser humano sem saber o que fazer. – Senhor, tem misericórdia desta dupla amada na sala de cirurgia e desta família que sangra de dor do lado de fora. Era o grito silencioso numa oração quase sem palavras.

Sabia, por instinto, que nossa filha corria risco de morte, mas precisava proteger minha esposa do pavor da morte. Clamava: ó, Tu que já estiveste no seio dela e venceste as suas garras, vence agora, com o mesmo poder da manhã radiante da tua ressurreição!!!

Atravessávamos o rio Tibagi quando veio uma foto: era Sami, meu genro, e Bela sorrindo juntos, com Laurinha no meio, no centro cirúrgico. Minha esposa não conseguia ver direito, por causa das lágrimas, e eu, porque dirigia. Andamos mais uns 10 kms e parei num lugar de recuo para ver a foto e soltar o choro de gratidão e adoração ao Ressuscitado.

Choramos, oramos e louvamos, mas não tínhamos a menor noção do que tinha acontecido. Só depois de dois dias é que soubemos o que a nossa filha passou. Ela esteve no corredor da morte e foi restaurada pelo Autor da vida. Havia nova aura soprando naquela manhã quando a Laura nascia. A noite passara e agora víamos o valor da misericórdia.

Este é um mundo de espinhos e cardos e nós fazemos parte de uma raça caída, sofrendo por todos os lados com o cheiro asqueroso do bafo da morte, mas, nossa família foi visitada pela aurora da ressurreição. Não tenho dúvidas. O Senhor agiu neste parto.

Mendigos, pude ver a luz da manhã à meia noite. Antes que o sol nascesse raiou o brilho da vida ressuscitada, conduzindo-me em dança festiva diante do trono, por mais um milagre em nossa caminhada rumo à Nova Jerusalém.

Do velho mendigo, GP.

O ESPÍRITO DA CRUZ .103 – FERIDOS POR FALAS PERDIDAS

A onça foi baleada na perseguição, não mortalmente, e os caçadores estavam ali rastejando em seu encalço para abatê-la definitivamente. Foi aí que um atirador experiente disse: – agora, todo cuidado é pouco, pois uma fera ferida é muito mais perigosa.

Ninguém vive num mundo agressivo de falas perdidas, por emoções desvairadas, sem algum ferimento na sua alma. As falas podem ser mais ferinas do que as balas. E há mais gente atingida, gravemente, por falas perdidas, do que gente, por balas perdidas. A multidão de feridos por falas malignas é infinitamente maior do que por balas perdidas.

As palavras podem curar ou matar. A boca pode ser um hospital ou uma câmera de gás. Pode dar vida ou produzir adoecimento, aleijar e matar. A Bíblia diz: a morte e a vida estão no poder da língua; o que bem a utiliza come do seu fruto. Provérbios 18:21.

Uma palavra bem dita será sempre uma bendita bendição, mas, maldizer é uma praga maligna do inferno. Se falo mal de alguém, sem provas, é calúnia; se houver provas é perda de tempo e um trabalho de operário padrão do capeta. Denegrir ou difamar alguém é sinal de um coração perverso, pois Jesus disse: a boca fala daquilo que está no coração.

Aquele que tem o seu coração adequado tem um discurso curador, mas aquele que guarda a maldade no coração fere com sua língua maledicente até um monge de pedra.

Tenham cuidado com a maneira de falar. Nunca saia da boca de vocês alguma besteira, baixaria, ultraje ou maledicência. Falem apenas o que for útil e ajude os outros! Cada palavra de vocês deve ser um presente para a edificação de alguém. Efésios 4:29.

Há uma multidão de aleijados e tetraplégicos emocionais fruto de falas perdidas, ditas de modo impensado e inconsequente, que feriram profundamente a alma das vítimas das palavras malditas. Essa gente agora é muito perigosa, pois faz parte das feras feridas.

Uma pessoa magoada é um potencial ofensor. Aliás, potentemente agressor. Não são poucos os feridos que não sejam ferinos. Desde uma ironia sofisticada até o sarcasmo rasteiro vemos nos botes mais sutis de gente amarga, propondo desforra para quem o feriu. Mas é triste ver a vítima de ontem vitimizar o inocente hoje, como troco do pecado.

Normalmente a agressão é um reflexo de alguém agredido que procura vingança, e, as palavras viperinas ou venenosas são as armas mais afiadas para ferir os seus alvos. Na verdade, não há ataque mais letal do que as palavras maldosas ditas de modo ultrajante.

Um ente magoado, frequentemente, é um perito em arranhar, morder e ferir. A fera ferida é uma fera ferina. Mas, há remédio para essa cavalgadura, a cruz de Cristo. Esse bicho precisa morrer na cruz com Cristo, para que ressurja em seu lugar um novo ser, capaz de proferir palavras que ajudem na cura das feridas que sangram. O filho de Aba é o médico ferido que trata, com palavras sãs, as feridas dos feridos.

Do velho mendigo, GP.

O ESPÍRITO DA CRUZ .102 – A MISSÃO DO COMISSIONADO

Missões é o vivo agir da Igreja de Cristo movida pelo Espírito Santo. A igreja que obedece a ordem de pregar o Evangelho da graça, seja aqui ou seja acolá, está na missão de anunciar as boas novas. Não há missão se a igreja estiver pregando outra coisa que não seja o Evangelho de Cristo, mesmo que ela envie os seus missionários aos confins da terra.

O Evangelho é descrito pelo apóstolo Paulo claramente assim: eu lhes transmiti o que era mais importante e o que também me foi transmitido: Cristo morreu por nossos pecados, como dizem as Escrituras. Ele foi sepultado e ressuscitou no terceiro dia, como dizem as Escrituras. 1 Coríntios 15:3-4. Sumariamente falando, o Evangelho da graça é o anúncio da morte e ressurreição de Cristo Jesus, bem como, a nossa inclusão nEle.

Ser missionário na igreja não quer dizer que alguém foi enviado ao campo, fora do perímetro da igreja local, embora isto possa acontecer, mas, quer dizer que alguém tem que anunciar apenas a Cristo crucificado, anunciando-O como um crucificado com Ele.

Toda igreja local faz sua missão pregando o Evangelho, tanto em suas reuniões, como nos seus projetos externos. A igreja que prega a Cristo e tão-somente a Cristo é uma igreja missionária, fazendo missões, quer seja nos quintais da sua sede, quer nos confins da geografia, uma vez que o objetivo da pregação – Cristo – é que determina a sua missão.

Se eu prego a minha denominação, não estou fazendo missões. Se prego a Bíblia, sem a ênfase em Cristo crucificado, não faço missões. Se cuido dos órfãos, dos pobres e dos exilados, mas não transmito a mensagem da morte e ressurreição de Cristo Jesus, segundo o Evangelho da graça, não tenho nada de missionário, nem estou envolvido em missões.

Li este pensamento:

só um perito em subterfúgios exegéticos ousaria negar que a missão da igreja é fazer discípulos de Cristo”, e, ninguém fará um discípulo dEle, sem que este morra para si mesmo e para o mundo, por meio de sua união com Ele, na cruz.

A missão de pregar o Evangelho da bendita graça de Cristo, como crucificados, é a única permissão que nós temos, como missionários, neste mundo sem a visão de Deus.

Ser missionário, fazer missões, não significa viajar a um país distante e envolver-se lá com mera divulgação do cristianismo. Somos missionários quando morremos pra nós mesmos, na cruz com Cristo, e vivemos pela vida de Cristo para pregamos as boas novas do Evangelho da graça, em qualquer canto. A missão acontece aqui e lá na Conchinchina.

A Trindade salva pecadores e os transforma em missionários. Todos aqueles que foram regenerados são os missionários comissionados para pregar o Evangelho da graça. Mendigos, nós temos uma missão e o nosso campo é o mundo. Se você é uma nova criatura em Cristo Jesus, você é um missionário do Evangelho, em qualquer lugar, e, neste caso, a sua omissão não terá remissão, então, mãos à obra na missão.

Do velho mendigo, GP.

O ESPÍRITO DA CRUZ .101 – E O PASSARINHO ?

Duas mulheres tricotavam a vida num banco de uma praça, onde estava sentado um sábio. Elas comentavam de tudo e criticavam tudo: – não gosto disto, aquilo é horrível, o calor… insuportável, a rua está esburacada, que passarinho mais desajeitado! – O senhor não acha? O sábio se vira e pergunta: – o que é desajeitado? – o passarinho, respondem.

O homem pondera: – gosto é particular. Uns gostam disto, outros daquilo. O que é horrível? A feiúra, além de pessoal, depende da cultura. O belo e o feio são universais. A beleza… esta muda; o que é bonito para os japoneses, pode não ser para os nórdicos. Calor é calor, mas quantos esquimós gostariam, algum dia, de uma temperatura como esta. A rua de fato está esburacada, por isso, os carros andam devagar e temos menos acidentes.

As duas ficaram olhando para o homem, espantadas com a sabedoria, mas não se contiveram: – e o passarinho? – Vocês o acharam desajeitado, não? – Um tanto esquisito, se o senhor achar melhor. – Não o acho nem desajeitado, nem esquisito, o vejo só como um passarinho original. Ele é lindo em sua singularidade. Nada vejo que o desqualifique.

As duas ficaram pensativas e uma indaga: – pelo jeito, o senhor é positivista? – Não, respondeu. Apenas quero viver. No mundo temos coisas boas e ruins, prefiro ficar com as boas e quando as ruins aparecem, porque aparecem, se posso, aproveito algo válido delas. Os buracos da rua não são bons em si, mas há algo que podemos usufruir. Meu neto, de 3 anos, não foi atropelado, nesta rua, por causa deles, no mês passado.

– Sim, isto é verdade, diz a outra mulher. Mas, e a esquisitice do passarinho? – Na minha visão, não há esquisitice no passarinho, esta, normalmente é nossa. A visão depende dos olhos. Se somos vesgos, vemos o mundo com a ótica da nossa vesguice.

– O senhor quer dizer que nós somos vesgas? – Não foi o meu objetivo. Só quis dizer que, se os nossos olhos forem claros, a nossa visão será nítida. Já li e concordo com o que Jesus disse: os olhos são como uma lâmpada que ilumina todo o corpo. Quando os olhos são bons, todo o corpo se enche de luz. Mas, quando os olhos são maus, o corpo se enche de escuridão. A visão das coisas depende da iluminação dos olhos.

– O senhor é um filósofo? – Não. Apenas quero viver, e vivemos de acordo com o que cremos. As aflições neste mundo podem durar, mas não são eternas. Embora a vida seja cheia de tribulações, ela será curta – mais alguns passos e estaremos abrigados da chuva. O importante, neste tempo, é ver o que glorifica a Deus e edifica os outros.

– O senhor é crente? Sim. Eu creio em Jesus e Ele vive em mim, por isso, vejo a vida com seus olhos. Deus está nos fatos da história de maneira tão verdadeira quanto está no andamento das estações do ano, nas revoluções dos planetas ou na arquitetura dos mundos. – E o passarinho? – Esse não cai, sem a Sua permissão…

Do mendigo, GP.

O ESPÍRITO DA CRUZ .100 – EVIDÊNCIA OU FÉ ?

Maria, a mãe de Jesus, é considerada pela igreja cristã como uma mulher de fé e a mais bem-aventurada de todas, por ter sido escolhida como um vaso, para trazer a este planeta caído o Salvador do mundo. Maria teve uma visão e creu na Palavra do mensageiro celestial, entregando-se ao cumprimento de uma profecia que apontava para a semente da mulher, Aquele que viria esmagar a cabeça da serpente, ainda que ferido no calcanhar.

Maria é cantada e decantada. Dela se fala, em prosa e verso, até mesmo que é a mãe de Deus, coisa que nunca foi, já que Deus não tem mãe. Ela é mãe de Jesus, o Filho do Homem, a plena encarnação divina, mas é uma mera criatura e jamais foi mãe do Criador.

O que me chama a atenção, nesta ênfase toda, é que pouco se ouve falar da fé de José, seu marido. Ele fica meio escondido atrás dela e quase passa despercebido. Porém, vejo neste homem uma fé tão significativa, que ouso dizer que ela não teve fé mais robusta.

Maria creu no anjo quando lhe disse: – você ficará grávida do Espírito Santo. E, quando ficou, não foi tão difícil saber, pois ela tinha certeza de que nunca tivera relação sexual com nenhum homem. Ela era virgem e jamais copulara, nem fizera qualquer tipo de inseminação artificial assistida, pois na época não havia essa possibilidade.

Agora, o caso de José foi diferente. O mensageiro celestial que falou com ele, fala em sonho, sem qualquer profecia a seu respeito e sem a possibilidade dele constatar o fato, por isso, a questão aqui é bem mais complicada. Nem todo sonho é revelação divina e não havia um meio pelo qual ele pudesse confirmar a veracidade destas informações.

Quando José viu o sinal de que Maria era gestante, sendo homem justo, resolve romper a união em segredo, pois não queria envergonhá-la com uma separação pública. Foi aí que teve este sonho que mudou sua decisão. José creu piamente naquele sonho.

A evidência da fé é ver quem fala. Aqui deduzimos que José era alguém que tinha uma intimidade real com Deus. Por esta narrativa, podemos perceber que ele já estava bem familiarizado com a linguagem do trono, porque não teve a menor dúvida em seu coração.

O anjo do senho diz que Maria, sua noiva, estava esperando um filho do Espírito Santo e que ele teria a missão de dar o nome de Jesus a esta criança, que seria seu filho. Só quem tem convicção da verdade ou quem é tonto de verdade pode crer numa coisa desta. José creu e nunca foi tonto, porque fé é isto mesmo, é crer em Deus, apesar das evidências.

Tiro aqui o chapéu pro José. “A fé que não vai mais longe do que a cabeça nunca pode trazer paz ao coração.” Maria crendo pôde constatar que sua gravidez foi um milagre; enquanto José constatou o milagre da sua fé, na gravidez de sua mulher. Maria creu, mas viu na experiência a realidade da sua crença, todavia, José nunca pode atestar o que creu. Mendigos, creiam como José, com fé simples no Deus que gera fé.

Do velho mendigo, GP.

O ESPÍRITO DA CRUZ .99 – A CULTURA NOTURNA

Os piores insanos são aqueles que são lúcidos de dia, mas confusos e hostis à noite. São normais no claro, todavia, basta o lusco-fusco para se portarem como demônios. Aliás, o escuro é o manto sagrado dos vampiros da reputação. É horroroso ver uma pessoa com cara de anjo iluminada pelo sol virar um capeta, quando as luzes se apagam.

A síndrome do cordeiro de dia e do lobo de noite, do médico e o monstro é mais comum do que se pensa. A questão mais específica aqui é o grau, contudo o fato é sério.

A sombra esconde as piores feras e os maiores ferinos. Satanás se reveste como anjo de luz, embora seja o deus da trevas. Finge ser holofote e o que se vê, é puro negrume. A luz da bomba atômica some pelos efeitos radioativos. Tenho pavor de luz explosiva.

Porém, poucas coisas são mais perversas do que cizânia. A Bíblia diz: Seis coisas o Senhor aborrece, e a sétima a sua alma abomina: Provérbios 6:16 e o que é? Aquele que semeia contendas entre os irmãos. Desavença é uma erva daninha que se cultiva à sombra.

Jesus disse que o joio foi plantado quando os trabalhadores que semearam o trigo dormiam. Isto nos faz ver que o inimigo prefere trabalhar à noite. A escuridão é a cortina tenebroso que o maligno usa para camuflar sua estratégia de degradação, por isso, suas fofocas mais rasteiras são costuradas, sutilmente, em lugares sombrios.

O diabo gosta do barulho, do som estridente pra poder perturbar a mente, mas prefere o sussurro, a fim de conturbar o coração. A tática: na concentração do pensamento, ele ataca com algazarra, na dispersão dos sentimentos, astúcia e linguagem velada.

O fuxico, a futrica, o diz-que-diz acontecem sempre sob as penumbras e com tal sutileza, que dificilmente a vítima percebe. Certa vez, Churchill entrou numa sala dos que tricotavam a seu respeito, mas não percebeu nada de mais quando chegou lá; o que lhe chamou a atenção foi apenas a bajulação que veio de imediato. Mais tarde ele soube que estava sendo frito em fogo brando. A fofoca corria solta, mas comedida e à louvação…

Por falar em chaleirismo, é bom lembrar que essa turma também faz parte dum coral suspeito da ópera negra, que afina no palco e desafina nos bastidores. Por isso, digo com a mesma 30precisão de George Chapman:

bajuladores se parecem com amigos assim como lobos se parecem com cães,” lembrando que lobos sempre preferem caçar à noite.

Lucidez de dia e loucura de noite são descritas como hipocrisia, dando-se mais aparência do que realidade. O discípulo que levou Jesus pro tribunal operava no turno da noite. Satanás entrou em Judas depois que comeu o pão molhado. Este pão embebido fala do ser humano vivaldino. Ele, tendo recebido o bocado, saiu logo. E era noite. João 13:30.

Mendigos, prestem atenção no jeito jeitoso dos lisonjeadores. E, se receberem alguns elogios, recebam com reserva, mas, incensamento, jamais!

Do velho mendigo, GP.

O ESPÍRITO DA CRUZ .98 – A GESTAÇÃO DE CRISTO

A tensão pelo parto da filha, a chegada de uma netinha, a hora de espera no hall do hospital e eu pensando como era a formação de Cristo no homem interior. A filha de 40 semanas de gravidez caminhava para o centro cirúrgico, onde o médico faria a sua cesária. Mas, estava eu ali no quarto, querendo saber como era a gestação de Cristo em nós…

Fui à carta aos Gálatas 4:19 e vi o apóstolo dizer: meus filhos, por quem, de novo, sofro as dores de parto, até ser Cristo formado em vós. A formação de Cristo em nós é dolorida. Há sofrimento, contrações e contraturas no processo. Como disse J. Blanchard,

não existe cristianismo fácil. Se é fácil, não é cristianismo; se é cristianismo, não é fácil.”

O parto dói e a formação de Cristo não é gestação de 40 semanas, mas da vida toda. A gravidez de um bebê tem limite, a de Cristo em nós, é permanente. A minha filha deu a luz a netinha, Vitória. Mas, a vitória plena da vida cristã é no fim das eras. Vivo em dores de parto para que Cristo seja formado em mim. Mas onde está a minha gravidez?

Alguém perguntou em tom de curiosidade. Pariu? Quem? Quando? Onde? – A minha filha pariu, sim, mas eu continuo grávido das dores em busca da formação de Cristo. Porém olho minha silhueta e não vejo evolução alguma. Se estou prenhe, não há sintoma… Quando Cristo vai ser formado em mim? Olho para outros, que se dizem gestados de Cristo e não vejo nenhum sinal desta gestação. Onde está o Cristo na igreja contemporânea?

Sei que Ele está nela. Sei que Cristo vive em mim. Mas o que está acontecendo? Meu amigo, o pecador, Wilson Chini, escreveu: “A vida cristã resumiu–se a declarações doutrinárias, credos, confissões, debates teológicos, reproduções de textos e frases de outrem, réplicas de modelos de reunião, discussões intermináveis, acusações e condenação dos pecados dos outros, não dos nossos, e até piadas com os dons do Espírito Santo”.

Vejo que uns só estão pejados de doutrina, enquanto outros só dançam e pulam na sala de reunião. Uns são teólogos, outros meros participantes de show. E eu continuo perguntando, onde está a vida de Cristo em nós? Não estou falando de moralidade; a minha pergunta é: cadê as dores de parto? Onde está Cristo, sendo formado em nós?

Vejo a igreja ocupadíssima em ativismo, mas sem quase nenhuma atividade que prove que Cristo vive em nós. Vocês têm visto algum indício de solitude? Quantos são os que leem, estudam e meditam na Palavra de Deus? São muitos ou poucos? E as reuniões de oração, como são frequentadas? Alguém tem visto Cristo andando entre nós?

Mendigos volto a Chini: “Amar a Deus e ao próximo, oferecer a outra face, amar os inimigos, perdoar 70 x 7, abrir mão dos bens materiais, virou acusação na boca daqueles que julgam a cristandade, pois é uma prática rara, de fato. Os textos preferidos são os da Antiga Aliança e não os da Nova. Mais próximos de Moisés do que de Jesus”. É isto?

GP.

O ESPÍRITO DA CRUZ .97 – O CREDO E A CRENÇA

Há muitos cristãos que têm uma boa experiência com Cristo, mas não têm sinal de boa doutrina. São crentes, sim, embora lhes falte um conhecimento legítimo da fé cristã. Outros têm um farto conhecimento da boa doutrina, mas não mostram nada da vida com o Senhor. Há forte saber teológico e nenhuma intimidade com Ele. Falam bem da credo, mas não demonstram, no viver diário, a crença no Senhor. O credo é correto, a crença é falsa.

Há, todavia, aqueles que, além de conhecer pessoalmente o Senhor, conhecem a sã doutrina de modo salutar e saudável. São pessoas que têm experiência com Cristo e com conhecimento das doutrinas de Cristo. Falam de Cristo e falam com perfeita adequação.

A igreja hoje carece muito de crentes com uma boa crença e um bom credo. Não basta dizer que crê, é preciso demonstrar com coerência as bases da sua piedade.

O apóstolo Pedro disse aos que estão sendo cobrados de bom testemunho: antes, santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração, estando sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós, 1 Pedro 3:15.

Crer e responder. Fé sincera e resposta sadia. Há razões que a razão desconhece, todavia não há razão pra não se responder com razoabilidade àqueles que nos pedirem a razão da nossa esperança. Precisamos ser coerentes com o que cremos e claros em expor aquilo que cremos, mas sabendo que nem sempre a nossa exposição explicará a nossa fé.

Prefiro aquele que crê na suficiência de Cristo, ainda que não saiba explicar de modo, suficientemente claro a sua fé, do que aquele que sabe explicar a doutrina, com toda a maestria, e, mesmo assim, ninguém fica convencido de sua crença. Ouvi alguém dizer de um pregador convincente: “sua pregação é certinha, porém a sua vida é tortinha” e riu.

Riu de que? É triste. Veja a diferença entre um religioso e Jesus. O fariseu: Fazei e guardai, pois, tudo quanto eles vos disserem, porém não os imiteis nas suas obras; porque dizem e não fazem. Mateus 23:3. Veja agora de Jesus:

Escrevi o primeiro livro, ó Teófilo, relatando todas as coisas que Jesus começou a fazer e a ensinar. Atos 1:1.

O religioso ensina certo, mas vive torto. Jesus vive o que ensina. O primeiro só prega correto, mas não vive o que prega. O segundo vive segundo o que prega; não há um pingo de incoerência em sua mensagem. Jesus encarna a pregação que prega.

Thomas Arthur disse e disse muito bem, que “quem salva a alma não é o homem que traz a Palavra, mas a Palavra que ele traz”, todavia, se o homem que traz a Palavra não a encarna, ela não terá muito sentido na edificação daqueles que foram salvos. Assim, não basta pregar a Palavra corretamente, é preciso vivê-la no interior, inteiramente.

Mendigos, não é suficiente ter o credo correto, é preciso viver a sua crença. Viva você o que crê e a sua crença dará respaldo ao seu credo.

Do velho mendigo GP.

O ESPÍRITO DA CRUZ .96 – CULTIVANDO AMIGOS

Faço parte de uma raça caída e inimiga de Deus por natureza. Nunca tive amor por Deus. Meu coração sempre foi avesso a Deus, embora eu fosse um fiel religioso desde muito pequeno. Todavia, ser um religioso não significa ser um amigo de Deus.

Mas, um dia fui alcançado pelo amor de Deus e Ele me fez Seu amigo. Só sou amigo de Cristo porque Ele me fez amigo dEle mesmo e amigo de todos os Seus amigos. Os amigos de Cristo são amigos entre si. Eles podem até não ter os mesmos pensamentos, mas têm o mesmo sentimento. São amigos comuns do mesmo Amigo que os ama sempre.

A amizade de Cristo por Seus amigos produz uma espécie rara de amigos, que mesmo pensando diferentemente se respeitam e se estimam de coração. A fé cristã não é mera uniformidade externa de ideias, é uma unidade interna de amor.

Nem todos os meus amigos são amigos pessoais de todos estes amigos que tenho por meio de Cristo. Mas todos os meus amigos são amigos do único Amigo de todos. Isto é como o axioma de Euclides: se A é igual a B e B igual a C, então A é igual a C. Coisas iguais a uma terceira são iguais entre si e às quantidades iguais entre si, obtêm-se somas iguais.

Se sou amigo de Cristo, porque Ele me fez amigo dEle, então sou amigos de Seus amigos, mesmo não defendendo os mesmos pontos de visto. Não preciso ser igual na visão, preciso ser semelhante na compreensão do amor revelado no Calvário.

Não sou inimigo de ninguém, embora eu tenha inimigos, pois todos os que não forem amigos de Cristo, não conseguem ser meus amigos. Isto faz parte da compreensão e nunca da visão dos fatos. Se não conseguem amar Aquele que é o Amor, não conseguem amar os amados deste Amor. Esta é a inimizade gratuita do egoísmo ensimesmado.

Só ama a Deus quem foi amado primeiro por Deus. Só ama os amados de Deus aqueles que tiveram os seus corações cheios pelo amor de Cristo. Sem o amor derramado nos corações pelo Espírito Santo, não há amizade verdadeira. Isto é uma questão de causa e efeito. A luz do sol nos dá luz para ver o sol. O amor de Deus nos dá amor para ama-Lo e amar os amados de dEle. Assim, se sou amigo de Deus, sou amigo dos Seus amados.

Neste mundo precisamos ter algum cuidado no quesito amizade. Churton Collins disse: “na prosperidade, nossos amigos nos conhecem; na adversidade, nós conhecemos nossos amigos.” A verdadeira amizade vai além dos benefícios que pode auferir. Sei que há alguns que se dizem amigos na hora do bem-bom, mas viram a cara no momento ruim.

Mendigos, somos carentes da graça e dependentes da misericórdia divina, logo, não precisamos mendigar as migalhas de afeto de ninguém. “A única forma de ter amigo é ser amigo”, sabendo isto: amigo é alguém que se aproxima quando todo mundo se afasta. Pare de reclamar que não tem amigos. Seja amigo.

Do velho mendigo, GP.

O ESPÍRITO DA CRUZ .95 – PÉ DE ALFACE OU TAMAREIRA?

A pressa é a inimiga da perfeição.”

Hoje vivemos a ditadura do ontem, tudo é muito rápido. Queremos que as coisas que estamos planejando já tivessem acontecido. Há uma cultura do imediatismo e quase ninguém quer plantar tamareiras. O quê? Esperar 80 anos para colher frutos? Isto não faz parte da mentalidade pós-moderna.

A Catedral de Toledo, na Espanha, levou quase 300 anos para ser construída. O Templo de Salomão, da Igreja Universal em São Paulo, menos de 4 anos. Vários itens estão em jogo no encurtamento cronológico: tecnologia, transporte, recursos, mas o principal é a mentalidade. Ninguém suporta, nos dias de hoje, uma construção que demore tanto.

Somos a cultura do pé de alface. Entre plantar um carvalho que leva mais de 60 anos para ter proveito, é preferível plantar alface que em 2 ou 3 meses já podemos colher. É esta percepção imediatista que é responsável pela formação de uma geração do ontem. Mas o pior, é ver isto sendo implantado na igreja. Queremos vidas de pé de alface.

A. W. Tazer, no início da década de 60, criticou a cultura de leite em pó, do chá em saquinho e do café solúvel que estava sendo implantada na evangelização da igreja. Ele chamou a atenção para este entendimento do sintético e instantâneo que vinha sutilmente sendo imposto como válido, para ser cultivado na vida espiritual.

O problema é que, de lá para cá, as coisas só pioraram. Há uma tendência muito forte de resultados imediatos. Queremos tudo logo. A expressão tomou lugar do esperei com paciência pelo Senhor. Poucos são os que querem permanecer na Casa de Oração à espera do mover da nuvem. A alma inquieta não consegue descansar diante do Altíssimo e se desespera em busca dos seus projetos construídos sem alicerces.

A história tem fundamentos e a igreja tem história. Precisamos consultar o que foi feito no passado, mas precisamos aprender com erros e acertos em todos os períodos. A igreja de Jerusalém, no primeiro século, não deve ser o nosso modelo em tudo, hoje. Ela teve pontos positivos e pontos negativos e devemos levar tudo isto em conta.

Um ponto positivo: e perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações. Atos 2:42. A igreja estava unida. Um ponto negativo: e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra. Atos 1:8. A igreja tornou-se paralítica, fico só em Jerusalém por anos.

A igreja primitiva tinha coisas boas, mas também teve falhas. A igreja hoje tem falhas, mas também tem coisas boas e devemos cultivar o que foi bom ontem e é hoje.

Mendigos, precisamos aprender cultivar tamareiras, pois, se Jesus não voltar tão logo, como esperamos que volte, outras gerações comerão de seus frutos. E é bom ter cuidado com os apressadinhos que não sabem esperar no Senhor.

Do velho mendigo, GP.

O ESPÍRITO DA CRUZ .94 – ARREPENDIMENTO, DOM OU MÉRITO?

Há quem acredite que Deus perdoa aquele que se arrepende. Outros creem que Deus perdoa alguém para que se arrependa. O primeiro grupo pensa que se não houver o arrependimento, não pode haver o perdão de Deus, assim fazendo do arrependimento a causa do perdão. Mas o segundo grupo faz do perdão a causa do arrependimento.

O primeiro grupo acha que Deus só pode perdoar se houver arrependimento e, neste caso, o perdão divino depende da atitude humana de arrepender-se. Se não houver nenhum arrependimento humano, não haverá a menor possibilidade de Deus perdoar.

Mas, o segundo grupo consegue perceber a ação de Deus antes da reação do ser humano. O perdão de Deus, aqui, antecede a resposta da pessoa e o arrependimento é um ato pessoal, em consequência direta da operação divina do perdão. No primeiro grupo o arrependimento é um mérito humano, no segundo, um dom da graça de Deus.

O arrependimento é a mudança da mente autoconfiante após a vivificação do espírito, e esta é uma operação do Espírito Santo, depois do perdão outorgado aos eleitos, justificados pelo Pai, em Cristo, através de sua obra na cruz. O apóstolo Paulo disse: Quem intentará acusação contra os eleitos de Deus? É Deus quem os justifica. Romanos 8:33.

O pecador só é justificado por meio de sua morte com Cristo, porquanto quem morreu está justificado do pecado. Romanos 6:7. Se já morremos com Cristo, com certeza fomos justiçados; se fomos justificados, fomos perdoados; se fomos perdoados, já temos a garantia de sermos vivificados; se fomos vivificados ganhamos a condição espiritual de nos arrepender de nós mesmos e de confiar apenas em Cristo, para a nossa salvação.

O arrependimento espiritual é consequência da vida espiritual que foi dada ao pecador por meio da pregação da Palavra e a vivificação do Espírito Santo. A vivificação do espírito é o resultado da justificação do pecador, realizada por Cristo na cruz. A justificação do pecador é fruto da sua eleição, em Cristo, antes da fundação do mundo.

A lógica Paulínia vê assim o processo: porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas.

A ele, pois, a glória eternamente. Amém! Romanos 11:36.

Tudo vem de Cristo, por meio de Cristo e vai para Cristo, pois Cristo Jesus é o Autor de toda obra que é realizada mediante a fé, por isso, cremos que o arrependimento é um dom de Deus.

Fé e arrependimento, antes de serem expressões em nosso modo de viver, são dons da graça para a nossa obediência. Matthew Henry, no séc. 17 dizia: “sempre que Deus pretende dar vida, ele dá arrependimento,” e isto é claro, pois sem arrependimento não há verdadeira conversão. Deus nos dá o arrependimento para que nos arrependamos da nossa autoconfiança e confiemos na suficiência do Filho. Não há salvação sem arrependimento é não há arrependimento vivendo na autoconfiança. Ok?

Do velho mendigo, GP.

O ESPÍRITO DA CRUZ .93 – O SILÊNCIO DA IGREJA?

Li hoje esse pensamento de Martin Luther King: uma nação se condena, quando legaliza o mal e proíbe o bem, e quando a igreja se torna cúmplice com seu silêncio. Isto parece-me super atual: legalização do mal, proibição do bem e silêncio da igreja…

O mundo pós-moderno tem se mostrado adepto deste humanismo desumano, que só se preocupa com os traços capengas duma raça caída. Para a elite do poder político do planeta, o que deve ser propalado é aquilo que conduz ao caos. Os promotores do saber e seus informantes estão treinados na divulgação do nojento, sórdido e das más notícias.

Há uma cultura deformada, construída nas oficinas do maligno, promovendo a falência de princípios morais e da boa conduta, pautada pelos trilhos do bem. O que antes era considerado bom, hoje é visto como mau, além do que, há um aparato de subversão enorme tornando caolha a visão de qualquer pessoa neste mundo pervertido.

A legalização do mal é a pauta primordial do regime do anti-Cristo e da sua trupe de trapaceiros que se infiltram no processo de degradação, porém como se fossem anjos de luz. Essa gente se disfarça de iluminados, para semear as trevas e, defendem os direitos dos proscritos, para estabelecer a anarquia no tecido social. É uma inversão dolosa de valores.

Essa guerra sútil e camuflada distorce os fatos e aquilo que antes era certo, agora é errado; o bem de ontem vira um angu de caroço e a ética sadia se transforma num jogo de cartas marcadas e interesses escusos. A propina na política propositadamente converte-se em sobras de campanha e as contribuições ilegais são levadas e lavadas pelos Bancos em prol de um projeto comum de governabilidade do planeta azul, com tarja vermelha.

A cultura do incesto da Samiramis com seu filho Ninrode, gerando o abuso em Tammuz e a pedofilia passaram a ter status de nobreza na mente legisladora. Com esse pano de fundo a mídia venal vende sua alma a Mamon, disseminando o mal como se fosse o bem e a ideologia de gênero torna-se genérica e propalada como uma virtude.

Agora temos a semente do caos vicejando e a ordem judaico-cristã sendo minada para ser substituída pela “novus ordo seclorum” e seus asseclas. O mal é legalizado e o bem proibido, mas a Igreja não se omitirá, calando-se. A verdadeira Igreja nunca foi muda.

Mendigos, o espírito da cruz está marcado pelo sangue carmesim, o sangue do Cordeiro, jamais pelo escudos vermelhos. As organizações eclesiásticas podem até ficar emudecidas com medo do poder escondido nos pavês encarnados, a Igreja nunca. A morte não pode matar quem já morreu em Cristo. Silêncio aqui? – Não há mártir covarde.

O silêncio da Igreja é diante do altar em oração e adoração. Esse rebanho pode ser pequenino e inexpressivo, mas nunca será omisso e, como Davi diante de Golias, grita em plenos pulmões: – vamos a ti em nome do Senhor dos Exércitos!

Do velho mendigo, GP.

O ESPÍRITO DA CRUZ .92 – COMO ESTÁ O SEU COPO ?

Tem gente que vê o copo meio vazio… mas outros o veem meio cheio, todavia, a quantidade é a mesma. A questão é a perspectiva da alma. Os negativistas ou pigmeus nas entranhas só enxergam o vazio, a falta, a deficiência. Essa turma se nutre de contabilizar os centavos e comentar os defeitos e a falência alheia. É uma plateia do fracasso que só vê o sujo na parede, a mancha na camisa, a calça mal passada e o sapato sem ser engraxado.

O grupo do copo meio cheio tem outro olhar. Não é desatenção com o vazio, mas a sua atenção se volta mais para a conquista. O fato de perceber que o copo está meio cheio levanta o ânimo e o mantém no foco de vê-lo pleno. Esse grupo não se preocupa tanto com o déficit, mas investe especialmente no saldo. Sabe que ainda falta um bocado, todavia sua ênfase principal é naquilo que já foi alcançado. Sempre vê, com bons olhos, onde chegou.

A turma do copo meio vazio, quando recebe um limão, só percebe o seu azedo e se desmantela em críticas ácidas, enquanto a outra turma vê a oportunidade de fazer com o seu copo meio cheio, uma limonada suculenta. Aqui vemos duas correntes de pensamento que definem as ações das pessoas na trajetória da vida: os críticos e os criadores.

Na história do povo Israel, na estrada do deserto, vemos os dois tipos bem claros no grupo dos espias. Dos 12 enviados para investigar a terra, 10 voltaram dizendo que a terra era boa, mas havia gigantes e um sistemas de segurança intransponível. Eles viam as muralhas e a impossibilidade de conquistarem fortalezas. Os outros 2 viram, porém, algo mais, pois viram o poder do Deus invisível, que estava além da paisagem.

Parece que essa é uma percentagem marcante, já que há muito mais gente que só vê as dificuldades e os defeitos alheios. Críticos e pessimistas proliferam como bactérias, sempre infestando o ambiente. Eles só percebem os problemas e nunca veem a solução.

Felizmente, há uma minoria que faz a história, pois vê o poder de Deus por trás das crises. É o povo que vê como Henry Ward Beecher via: – as dificuldades são recados de Deus; quando nos são enviadas, devemos considerá-las prova da confiança de Deus – uma gentileza da parte de Deus. Essa é a turminha que faz toda a diferença!

Alguém já disse que

“nada é mais fácil de encontrar do que falhas” e acrescenta, “as pessoas que têm por objetivo encontrar falhas, raramente encontram outra coisa.”

Se é este o seu caso, devo sugerir um clamor: suplique misericórdia do céu, peça por um novo coração da parte do Altíssimo. Não se contente com essa vidinha vesga e mesquinha.

Mendigos, fico com Martinho Lutero: “O Espírito Santo não é cético, e as coisas que Ele grava em nosso coração não são dúvidas ou opiniões, mas afirmações – mais seguras e mais dignas de confiança do que o próprio sentido ou a vida.” Voilà! Não estou sugerindo utopia, mas dependência de Abba.

Do velho mendigo, GP.

O ESPÍRITO DA CRUZ .91 – AMANDO OS RUDES E TOSCOS…

A igreja é a reunião dos mendigos da graça em torno da plena suficiência do Cordeiro. Somos carentes do amor incondicional, porém não somos indigentes de afetos humanos. Carecemos do Senhor, sim, em tudo, mas não dependemos das migalhas da aceitação humana ou dos elogios e aplausos dos irmãos. Somos carentes, não caretas.

Nossos irmãos são importantes para ampliar o nosso amor que foi derramado pelo Espírito Santo, em nossos corações, mas jamais deveremos esperar deles algo para a nossa aceitação pessoal. Nós fomos aceitos pelo nosso Abba e nada ou ninguém pode acrescentar um milímetro que seja à nossa identidade como amados da Trindade.

Tudo o que preciso é da certeza de que estou morto juntamente com Cristo, para este mundo, e que Cristo é minha vida. Se creio que fui crucificado com Cristo, que Ele é meu tudo, então percebo que nada pode me manter dependente da opinião alheia ou até da minha opinião caída. Se me vejo amado incondicionalmente, por fé, vejo-me capaz, graciosamente, de amar até aqueles que me desprezam e me detestam.

O amor de Deus derramado nos corações, pelo Espírito Santo, é que financia nosso amor em favor de outros. Não precisamos ser amados para amar. Foi Jesus quem disse: se vocês amam os que os amam, qual é a recompensa? Porque até os pecadores amam aos que os amam. Lucas 6:32. Não é nosso amor que sustenta nossas amizades sem críticas e cobranças, mas a abundância do amor de Deus a nós conferida ricamente.

Sim, esta abundância a nós conferida foi com ferida que foi concedida. Foram as feridas do Cordeiro que patrocinaram, para que não ficássemos sangrando em nossas dores pessoais. Não há sofrimento em amar quando se ama com o amor divino, e, ainda, não precisamos da reciprocidade dos outros para que os amemos. O amor de Deus é o suficiente para suprir a nossa jornada de eternos amantes, neste mundo árido de amor.

A vida de Cristo em nós é o resultado de nossa morte para nós mesmos. Se já morremos com Cristo, Sua vida de amor se manifestará em nós, naturalmente. Nós não amamos para sermos amados, amamos porque fomos amados abundantemente pela plenitude Divina. Deus nos ama e derramou Seu amor para que amemos com esse amor.

Vejam ai a marca da vida cristã:

nisto conhecerão todos que vocês são meus discípulos: se tiverem amor uns aos outros. João 13:35.

Mas este amor não é produto de uma oficina de fundo de quintal; não se trata de artesanato que nós construímos, com auto sacrifício, embora, este amor passe por nós, não é fabricado por nossa capacidade.

Mendigos, se vocês têm dificuldades com este produto, não tentem produzi-lo em seus laboratórios caseiros; isto nunca funcionará. Simplesmente fiquem em baixo da torneira da graça, que o Fabricante os encherá em plenitude.

Do velho mendigo, GP.

O ESPÍRITO DA CRUZ .90 – COOPERADORES, NUNCA COOPERADOS

Jesus observava a atitude dos contribuintes em frente ao gazofilácio, isto é, diante do lugar onde se colocavam as ofertas para a manutenção do templo, no seu tempo, e viu como uma viúva ofertava. Ele se impressionou com o gesto a ponto de fazer um comentário, louvando-a por seu desprendimento. – (Esta é uma área complicada).

Muitos vão ao templo, usufruem seus benefícios, mas nunca contribuem com coisa alguma. Normalmente são aproveitadores e críticos. Recebem favores de cima e se investem com baixeza a censurar os gastos com isto ou aquilo. São governados pelo ter e não têm a mínima visão dos valores eternos. Pobres almas, vivem só o aqui e o agora!

Há outros que são bem mais astutos, eles contribuem com as sobras, embora ainda lhes sobrem muitos direitos para dar pitacos onde não têm competência. Dão do resto e pensam que são donos de todo o negócio. Eita povinho de mentalidade de fundo de quintal, que quer administrar o trono da glória com empáfia! Esta turma “é do peru”.

Um outro grupo tinhoso é aquele dos donos do dinheiro. Essa gente tem muito e dá muito, mas dá para se projetar e controlar. Na verdade o deus deles é o dinheiro e a glória deles é poder exercer ‘o poder’. São os caçadores de importância, sendo medidos pelos seus feitos e reconhecidos pelas suas obras; são aristocratas de altar.

Ainda há um grupo daqueles que têm muito, dão muito e não dão problemas com o uso do dinheiro. Estão sempre prontos a colaborar e colaboram com adequado desprendimento, procurando sempre ser parte da resposta e nunca do problema. Parece que Filemom era um tipo assim, de fácil participação e facilitador das soluções.

Aqui, Jesus viu diante do ofertório uma pobre viúva fazer algo fora do padrão. Ela deu tudo o que tinha de sua pobreza. Era muito pouco, mas era tudo. Não se tratava de mera contribuição, mas de total abnegação. Ela não deu das sobras, ela se deu antes de tudo, sem sombra de dúvidas. O que está em jogo, não é a oferta, é a ofertante.

Precisamos saber o modo como ofertamos. O importante não é a importância da oferta, em si, mas como nos portamos como contribuintes. Andrew Murray disse:

dar dinheiro faz parte de nossa vida no reino de Deus e Cristo nos orienta através da Sua Palavra e se interessa nisso. Procuremos descobrir então, o que existe na Escritura que nos possa ensinar sobre este assunto.”

Como devo me portar diante do gazofilácio?

Mendigos, nós somos carentes da graça, mas, por outro lado, participantes do gozo da salvação e contribuintes contentes, como diz a Escritura: cada um dê segundo tiver proposto no íntimo, não constrangido ou por obrigação; porque Deus recebe alegre a quem dá com prazer. 2 Coríntios 9:7. Lembrem-se que somos cooperadores no Reino de Deus e nunca cooperados em busca dos dividendos divinos.

Do velho mendigo, GP.

O ESPÍRITO DA CRUZ .89 – COM A LUPA NA MÃO !

O apóstolo Paulo fala de uma turma que ele designa como os inimigos da cruz de Cristo, assim: pois muitos andam entre nós, dos quais, repetidas vezes, eu vos dizia e, agora, vos digo, até chorando, que são inimigos da cruz de Cristo. Filipenses 3:18. Vejam que é um grupo grande; que vive dentro da igreja e que é gente insinuante, uma vez, que, muitas vezes ele advertiu aos irmãos, mas estes continuavam infiltrados, confundindo.

Paulo vê quatro caraterísticas marcantes destes bichos de goiaba:

O destino deles é a perdição, o deus deles é o ventre, e a glória deles está na sua infâmia, visto que só se preocupam com as coisas terrenas. Filipenses 3:19. Os bichos são encardidos…

Eles estão na igreja, mas a finalidade deles é o caos, a confusão; é ver o navio afundar, significado da palavra grega para perdição. Estes são semeadores de contendas e mestres em implantar heresias para levar vantagens. Sua preferência é o humanismo, por onde implantam os partidos para gerar divisões e, consequentemente, a catástrofe.

Em seguida diagnosticou a divindade deles como as entranhas. Vivem de seus instintos viscerais, negociando a palavra temperada com sal por salários e preocupados com propina. Mas, como disse Roger L’Estrange, “aquele que serve a Deus por dinheiro servirá ao diabo por salário melhor.” Este deus intestinal nunca gera fé, apenas fezes. É horroroso ver essa gente infestando os vírus malignos dos negócios, no corpo de Cristo.

A terceira marca deste populacho é a glória. Não a glória de Deus, mas a sua própria. E, neste caso, é pura infâmia, ou seja, o investimento em nossa própria imagem é idolatria e adultério espiritual. Todo aquele que põe holofotes nos seus feitos, acaba por macular a graça de Deus, pois, se for pela graça, não há honra ao mérito.

Essa tropa maligna infiltrada na igreja tem um projeto pessoal de fazer adeptos e construir seus sonhos idealizados. Paulo viu que os seus investimentos são só terrenos e Richard Sibbes percebeu que

“todas as coisas terrenas são como água salgada: fazem aumentar a sede, mas não satisfazem.” É triste ver alguém construir algo para o inferno, em seu benefício, pois “as riquezas terrenas estão cheias de pobreza”, gritava Agostinho.

Não foi sem razão o choro do apóstolo. A igreja tem sofrido em toda a sua via histórica com essa gentalha embusteira vestida de ovelha, mas, por dentro é lobo voraz. A preocupação desse bando não é o Reino de Deus, mas o seu currículo; não é a boa nova do Evangelho de Cristo, ainda que pareça ser, mas o seu bem estar pessoal.

As lágrimas de Paulo têm se misturado com o pranto de muitos na trajetória da igreja, vendo o mesmo modelo se repetir. Para Sibbes, “um homem pode ser um falso profeta e ainda assim falar a verdade,” mas não passa de falso profeta. Mendigos, abram os olhos e cuidado comigo e com qualquer um dentre nós.

Do velho mendigo, GP.

O ESPÍRITO DA CRUZ .88 – NÃO MAIS EU, MAS CRISTO VIVE EM MIM

Um dia, um repórter perguntou ao ancião George Muller, 91 anos, homem de Deus: – qual era a causa do êxito na sua missão? Então, ele respondeu com a precisão de um santo: – “Um dia morri para George Muller, para suas opiniões e preferências, gosto e vontade; morri para o mundo, sua aprovação ou censura; morri para a aprovação ou acusação até mesmo de meus irmãos e amigos; e desde então tenho procurado apenas apresentar-me aprovado diante de Deus.” George Muller morreu… como morreu?

Muller cria, como o apóstolo Paulo, que a vida cristã era uma substituição: não mais eu, mas Cristo vive em mim. Ele disse: morri para George Muller, para suas opiniões e preferências, gosto e vontade… quer dizer que ele se anulou completamente?

Não, necessariamente. Ele não se aniquilou, ele foi substituído. Ele morreu na cruz com Cristo. Ele creu em sua morte juntamente com Cristo e creu, também, em sua ressurreição com Cristo. O cristianismo é vivido pela vida de Outro. É a união com Cristo.

Muller entendia que sua experiência com Cristo o tirou do governo do mundo, de sua aprovação ou censura. Aqui está uma grande luta. Muitos vivem em busca de sua aceitação e aprovação pelas pessoas nas redes sociais e, ao mesmo tempo, fugindo como o rato do gato de qualquer desaprovação que o descarte no cenário dos aplausos.

Uma das minhas grandes lutas está aqui. As pessoas nos veem por fora, mas nós sentimos por dentro os ventos fortes de nossas ambições. Às vezes as mascaramos, fazemos de conta que elas não existem, contudo uma tempestade violenta rola em nosso interior. A grande maioria não vê, mas, se formos sinceros, não podemos negar.

Luto com a necessidade de ser aceito e temo ser rejeitado. Não mostro isto, porém sofro com isto. Sinto os efeitos internos da carência da visibilidade externa. Estou tentando ser o mais honesto possível, mesmo assim, corro riscos de ser mal visto.

A alma poluída de ego é uma realidade intensa de autossuficiência, mesmo se o espírito já estiver regenerado. Não basta nascimento do alto e preciso rebaixamento no íntimo. Sem a salvação da alma a fé cristã parece falácia. Um estilo humilde, mas um coração sofisticado e soberbo não concilia-se com o Senhor acocorado, lavando pés.

Muller não somente cria na morte de Cristo como o seu Salvador, mas, cria em sua morte com Cristo, para que Ele fosse o seu Senhor. É como a encarnação do Verbo.

Olhei para um jovem e vi um Apólo das ideias. Seus discursos eram como rio caudaloso, cheio de pensamentos excitantes. Olhei para sua alma e vi aquele rio, poluído de egolatria, envenenando-se de si mesmo. Era caudalosa, mas, como as águas de Mara ácidas e amargosas.

Mendigos, não basta ter uma teologia acadêmica da elite, é preciso ter o coração quebrantado do Eleito, que morreu para si mesmo.

Do velho mendigo, GP.

O ESPÍRITO DA CRUZ .87 – SABER SOBRE DEUS É BEM DIFERENTE DO CRER EM DEUS

O saber sobre Deus é bem diferente do crer em Deus. Muitos sabem bastante sobre Cristo, embora não haja qualquer evidência de fé neles. Se denominam teólogos, mas são incrédulos. Têm bons discursos, contudo faltam-lhes os sinais dos cravos.

Para A. W. Tozer, “há uma doce teologia do coração que só se aprende na escola da renúncia.” Sem o esvaziamento de si mesmo não há a plenitude do Espírito. A morte do pecador, com Cristo, precede a sua vida de santidade. Não há lugar para o ego na sala do trono, nem os filhos do Altíssimo investem em sua promoção pessoal.

Mark Hopkins disse:

o próprio ato de fé pelo qual recebemos a Cristo é um ato de completa renúncia do eu e de todas as suas obras, como base para a salvação.”

O cristão não vive se propalando, mas proclamando a suficiência de Cristo em todos os empreendimentos de sua missão, num mundo caído, caótico e lamentavelmente caiado.

Quem busca seguidores para si mesmo, não pode seguir o Cristo que de si se esvaziou para viver totalmente na dependência do Pai. No reino de Deus não há discípulo de Cristo que queira ter discípulos para si. É bizarro ver um discípulo do Mestre dizer que tem seguidores, mesmo que sejam virtuais. O cristianismo de Cristo não dá espaço para estes que querem se projetar, fazendo adeptos em seus programas de poder.

A Bíblia mostra que o crescimento no Reino de Deus é pra baixo. João Batista viu a coisa assim:

Convém que ele cresça e que eu diminua. João 3:30.

Não há altares, nem pódios, nem palanques, nem plataformas de lançamento na jornada dos discípulos do Cordeiro, que se esvaziou até a morte de cruz. Não há lugar de destaque para quem morreu. Se morremos com Cristo, por que buscamos ser reconhecidos pelos homens?

O pregador inglês do séc XIX, C. H. Spurgeon, disse aos alunos do seminário onde ele ensinava: “preparem-se, meus jovens amigos, para se tornarem cada vez mais fracos; preparem-se para mergulhar a níveis cada vez mais baixos de auto-estima; preparem-se para a auto-aniquilação – e orem para que Deus apresse este processo.”

W. E. Sangster afirmou: “o cristianismo tem um segredo desconhecido pelos comunistas e capitalistas… como morrer para o eu. Este segredo torna-nos invencíveis,” uma vez que nos torna invisíveis para os homens, embora, bem visíveis para Deus.

O irmão Watchman Nee indagou: “que significa para mim estar ‘crucificado’? Penso que a resposta resume-se magistralmente nas palavras com as quais a multidão referiu-se a Jesus: ‘Fora com ele!’” Se estamos buscando um lugar ao sol e queremos ser vistos pelas plateias, então, mendigos, nada sabemos sobre o que é o cristianismo.

Não há outra forma de viver a fé cristã, senão levando o morrer de Jesus, dia a dia, em nosso estilo de vida. Se for assim, vamos em frente…

do velho mendigo, GP.

O ESPÍRITO DA CRUZ .86 – REAÇÕES DA NATUREZA

O feto é gerado sem o exercício de sua vontade pessoal. A sua existência está determinada por leis biológicas, conduzidas pela vontade de seus pais. O bebê nasce em um lar e, aos poucos, vai conhecendo os seus pais e gerando vínculos. A sua vontade de ter comunhão com seus pais é fruto de sua existência e do relacionamento com eles.

A vontade humana é desenvolvida pelo conhecimento e é diferente do instinto e desejos, que são de caráter biológico. A vontade é o querer da alma em função do seu envolvimento interpessoal. Não há vontade onde não haja a razão em desenvolvimento.

Alguém disse: “a vontade é a capacidade através da qual tomamos posição frente ao que nos aparece. Diante de um fato, podemos desejá-lo ou rejeitá-lo. Ante um pensamento, podemos afirmá-lo, negá-lo ou suspender o juízo”. Assim, a vontade do ponto de vista adâmico encontra-se impossibilitada de conectar-se com o Espírito divino.

Sabemos que o Espírito de Deus não nos aparece no plano físico e encontra-se em uma dimensão que não percebemos, por isso, não temos condições de buscá-lo. O ser humano natural só se envolve com as realidades tridimensionais deste mundo.

O filho de Deus, também, é regenerado de modo sobrenatural sem o exercício, em primeira mão, de sua vontade caída. Ele é vivificado, soberanamente, pela graça do Pai e, em consequência da vida espiritual, decide crer em Cristo e arrepender-se de sua autoconfiança. Aqui se instaura o grande milagre da conversão da alma a Deus.

Tanto a geração física, como a regeneração espiritual são produtos que vão além da capacidade da própria pessoa. Mas, uma vez nascida na carne, ou renascida no espírito pode-se exercer a vontade no que diz respeito à comunhão com os genitores.

Só quem nasce, fisicamente, tem condições de se relacionar com os seus pais terrenos. Só quem renasce, espiritualmente, está habilitado ao contato com o seu Pai do céu. Isto parece lógico, embora muitos tentam distorcer os fatos. Sem a vida psique não há familiaridade da criança com os pais biológicos; sem a vida zoe não há conexão do ser humano com o Pai celestial, assim, a regeneração antecede a decisão do incrédulo.

Primeiro, somos vivificados espiritualmente através do Espírito Santo, por meio da Palavra de Deus, para depois reagirmos em nosso espírito vivificado com a vontade desimpedida de suas limitações tridimensionais. Só aqueles que são regenerados em seus espíritos podem se relacionar espiritualmente com Deus que é espírito.

Jesus disse:

o que é nascido da carne é carne e o que é nascido do Espírito é espírito.

Se alguém não nasceu na carne, não existe fisicamente e, se alguém não nasceu do Espírito não tem qualquer reação espiritual. É óbvio: a vida da carne gera reações da carne e a vida espiritual, reações espirituais. É simples assim.

Do velho mendigo, GP.