O ESPÍRITO DA CRUZ .142 – NÃO É MAIS COMO PIRANHA, MAS COMO TAINHA

Estou ao ar livre na Chalana Celebridade onde vim pescar com um grupo de irmãos e amigos no Pantanal mato-grossense, tendo oportunidade de me desligar do dia a dia de cada dia. Sem Wi-Fi, sem internet, sem qualquer distração eu posso ver a natureza em sua beleza exuberante e poder usufruir um pouco deste paraíso brasileiro.

Gosto da natureza e gosto de pescar, ainda que eu não seja um pescador. Já tive traia, mas a traia envelheceu e agora pesco com a traia dos meus amigos. Levo o básico do básico e eles me equipam com tudo o que preciso para pescar. Sei que este não é o modo certo de agir, mas foi o que mais me adaptei neste últimos anos sem a expertise para poder adquirir equipamentos modernos de pescaria. Há muita novidade nessa área.

Mas o que gosto mais de fazer é pescar gente. Jesus nos chamou de fato para ser pescadores de homens. E a técnica de pescar gente é muito parecida com a de pescar peixe. Bons instrumentos de pescaria, boas iscas, bom piloteiro, paciência e disposição.

Pescar gente é uma arte da graça. Não se pode ser afoito. A paciência é um dos principais requisitos depois do piloteiro ou a pessoa que conduz o pescador aos lugares onde estão os peixes. Não adianta ter varas de titânio ou carretilhas super dimensionadas, se não houver peixe, nada feito. No caso da pescaria espiritual, o Espírito Santo é o piloto.

Precisamos que o Espírito nos conduza aos lugares onde estão as vidas que Ele quer pesca-las. Muitos se preocupam tanto com os equipamentos, mas esquecem do bom relacionamento como o Piloteiro. Estes são aqueles que têm uma traia moderna e técnica de primeira, embora não chegam aos poços onde estão os peixes, porque não têm a menor intimidade com o Espírito de Cristo. Quando muito só pescam piranhas. Piranhas?

Na língua tupi-guarani piranha significa peixe do maligno. Há alguns peixes que são nobres, mas há peixes que nada acrescentam ao currículo do pescador. O mesmo pode acontecer quando enchemos a igreja de filhos do maligno, achando que são filhos de Deus.

A pescaria no Reino de Deus tem a ver com piranhas convertidas em dourados. Pesca-se filhos do maligno e coloca-se no barco filhos de Deus. Entre a fisgada do peixe e o embarque há um milagre, isto é, a transformação de um bagre numa pirarara. O que estou falando chama-se de metanoia, mudança de mentalidade ou ainda nova criação.

A pesca de gente tem como alvo a mudança de confiança. Antes, como um filho do maligno eu confiava em mim. A autoconfiança é uma característica do homem adâmico, portanto, se confiarmos em nós mesmos estamos perdidos eternamente. Porém, quando nós somos, de fato, convertidos pelos Espírito Santo, passamos a confiar apenas no Alto.

A vida cristã é mais do que mudança de comportamento: é Cristo vivendo em mim. Agora, figurativamente, não é mais como piranha, mas como tainha.

CRENTE PHOTOSHOP

Eu estava numa reunião de líderes cristãos em uma mesa frontal, quando entrou um sujeito bem aparentado, de gestos comedidos e com um sorriso discreto. A pessoa ao lado sussurrou à boca meio travada: – este cara é um crente Photoshop e então explicou… ele finge ser uma pessoa adequada, um santo, mas na realidade é um trambiqueiro.

Photoshop é um software caracterizado como editor de imagens bidimensionais. É um programa para edição profissional de imagens digitais e trabalhos de pré-impressão, que melhora muito a qualidade da imagem. Foi aí que percebi a crítica do comentarista e pensei na tragédia que este tipo causa na vida da igreja. Como é triste saber que você pode ser considerado como um retoque ou edição melhorada de sua real impressão!

Alguém disse que

hipócrita é aquele que faz com que sua luz brilhe de tal forma diante dos outros que eles não possam saber o que está acontecendo por trás dela!”

José foi passar o final de semana fora. Quando voltou, seu amigo João foi buscá-lo na estação e logo lhe contou as notícias:– Você, nem imagina, Zé, deu uma ventania tão forte que derrubou um pedaço da minha casa.José resolveu mexer com a consciência do amigo: – Isso não me espanta nem um pouco, João, eu bem que lhe avisei que um dia os seus pecados iam ser castigados.– O vento derrubou uma parte da sua casa também, meu amigo!– Não me diga! Os desígnios de Deus são mesmo insondáveis. (2 pesos, 2 medidas.)

Mas o problema também diz respeito ao crítico. Muitos veem os outros de modo equivocado. Um certo casal, recém casados, mudou-se para um bairro muito tranquilo. Na primeira manhã que passavam na casa, enquanto tomavam café, a mulher olhou através da janela uma vizinha que pendurava lençóis no varal e comentou com o marido:– Aquela mulher esta pendurando lençóis sujos no varal? Acho que ela está precisando de um sabão novo, ou de alguém, como a minha mãe, que a ensine a lavar direito as roupas de cama!

O marido então levantou-se, pegou um pano úmido e limpou os vidros da janela. “Milagrosamente”, os lençóis ficaram totalmente limpos. Eles riram muito e nunca mais ficaram reparando nos outros. Esta história pode nos ajudar a não entrar no terreno alheio.

Tanto quem finge ser quem não é, como quem critica sob o efeito da visão duma janela suja são responsáveis por grandes danos na edificação do Corpo de Cristo. Todos nós precisamos de nitidez para avaliarmos com critério. Para Sto. Agostinho, “dizer que amamos a Deus enquanto vivemos uma vida sem santidade é a maior das falsidades.”

Uma pessoa pode ter uma língua angélica e um coração de demônio, mas nunca o inverso, pois, neste caso, a boca fala do que está cheio o coração. Não precisamos de uma imagem de Photoshop já que refletimos, no viver, a imagem de Cristo. Se for assim. Então!