O ESPÍRITO DA CRUZ .141 – “O SAMBA DE UMA NOTA SÓ”

Alguém me escreveu: você sempre bate na religião. Religião não salva, religião é isto, é aquilo. Você diz que a questão não é ser religioso, mas pertencer ao Evangelho e insiste nisto o tempo todo. O que é então este problema de religião e evangelho? Por que “este samba de uma nota só” e por que isto é tão importante pra você falar nisto sempre?

Bem, precisamos de discernimento. Muitos compram um produto falso porque não sabem qual é o verdadeiro. O Rev. Vance Havner escreveu: “Satanás não está lutando contra as igrejas, mas está tornando-se membro delas. Ele causa mais dano semeando joio do que arrancando trigo. Realiza mais por imitação do que por oposição direta.”

O Evangelho trabalha com a fé no espírito, as religiões com a emoções da alma. A fé gera o trigo na igreja pela Palavra, as emoções, mediante os apelos planta o joio. F. C. White sustentava: “a experiência dos anos obriga-nos a dizer que o apelo às emoções, embora frequentemente aumente os resultados, aumenta o joio em grande proporção.”

Não vejo a menor semelhança entre imitação barata do evangelho e o Evangelho autêntico. Sei que há esse evangelho minúsculo falando dum semideus raquítico apelando para gente que tem que decidir se aceita ou não o convite de um mascate ardiloso. Isto não passa de um simulacro religioso deformante e deformador da verdade do Evangelho.

Tenho o mesmo modo de entender de E. M. Bounds ao dizer que

seria uma imitação burlesca da esperteza do diabo e uma calúnia contra seu caráter e reputação, se ele não empregasse suas maiores influências para adulterar o pregador e a pregação.”

A religião tem a ver com o que nós fazemos para nos tornar dignos da aceitação divina. O Evangelho tem tudo a ver com o que Cristo fez e faz para nos fazer aceitáveis, por meio da graça, diante do Pai. Para tentar salvar o sujeito do pecado, a religião apela para o esforço humano, enquanto o Evangelho o salva apontando para o poder de Cristo na cruz.

As religiões são inumeráveis, porém o Evangelho da graça é único. As religiões se fundamentam no suor do executivo; o Evangelho no sangue do substituto. As religiões são da carne e o Evangelho é do espírito. As religiões exigem desempenho; o Evangelho provê descanso. As religiões premiam o “fiel” no final da missão; o Evangelho aposenta os santos antes do trabalho. As religiões são os homens querendo chegar aos céus por uma escada; o Evangelho é Deus descendo no elevador da encarnação para buscar os caídos, pela graça, e levá-los para Ele. As religiões são negócios frustrantes; o Evangelho é o ócio produtivo.

Não há qualquer afinidade entre as religiões dos homens e o Evangelho de Deus. Se você não sabe diferenciar gato de lebre pode fazer um banquete de carne exótica, mas se não souber perceber a diferenciação entre a religião e o Evangelho, encontra-se na rota de uma catástrofe eterna. É por isso que sou insistente com “este samba de uma nota só”.

O ESPÍRITO DA CRUZ .140 – ADEUS ÀS MURMURAÇÕES…

Todo aquele que está em Cristo se tornou nova criação. A velha vida acabou, e uma nova vida teve início!2 Coríntios 5:17. Na casa do oleiro o pote de barro que havia se estragado precisou ser desfeito e reconstruído. É disto que este texto está se referindo.

Não há remendo para um vaso em construção com defeito. Se houver uma pedra na massa de argila ou algum problema em sua confecção, ele tem que ser desmanchado e refeito para que possa ser assado no forno, sem o risco das trincas. No preparo do vaso há algumas medidas para torná-lo resistente, sem rachaduras e sincero = (sem cera).

Precisamos entender que o ser humano é um vaso que foi feito do pó da terra, do caulim, e, no processo de sua feitura, ainda no jardim, entrou uma pedra na sua estrutura e neste caso, exigiu que fosse desfeito para ser feito um vaso novo. Assim Cristo se encarnou num vaso humano, assumindo a causa humana, a fim de desfazer o vaso estragado na cruz, para, depois, fazer o novo vaso na Sua ressurreição. É assim que entendemos a vida cristã.

O texto diz: aquele que está em Cristo se tornou nova criação.Como pode uma pessoa estar em Cristo e ser nova criação? Primeiro, ela tem que ser atraída a Cristo, pois ninguém poderá estar em Cristo se Ele mesmo não o impelir ou atrair para Si. Jesus disse assim:quando eu for levantado da terra, (na cruz) atrairei todos a mim.João 12:32.

Agora, se admito, movido pelo Espírito Santo, que esse todos sem distinção me diz respeito, preciso crer que fui atraído naquela cruz. Se Cristo atraiu tanto judeus como gentios, então posso crer que Ele me atraiu e eu estou em Cristo, tanto na Sua morte como na ressurreição e, deste modo, foi desfeito o velho vaso estragado e feito um novo vaso.

A antiga criação danificada no jardim do Éden foi substituída por uma nova no jardim da ressurreição. Se estamos em Cristo somos uma nova criação. O Espírito Santo diz: A velha vida acabou, e uma nova vida teve início! Isto significa que morremos na cruz com Cristo, bem como ressuscitamos da tumba com Ele, mas não renascemos adultos.

A criança quando nasce no mundo é portadora de vida caída e rebelde, mesmo que esta vida seja incipiente ainda. O nascido de novo, ao ser regenerado, também nasce num estado embrionário de fé que requer alimentação para o seu desenvolvimento. Mas, essa pessoa é uma nova criatura, deixando pra trás as coisas da velha criação.

Quando pela fé nós recebemos os efeitos eternos da obra de Cristo, ganhamos outra dimensão de vida. Passamos a ter a visão que ultrapassa a tridimensionalidade e daí pra frente vemos aquilo que o olho não viu, nem ouvido ouviu,e nem a mente imaginou, mas que Deus preparou para aqueles que o amam. 2 Coríntios 2:9.

Uma vez que ressuscitamos para uma nova vida com Cristo, não há mais espaço para armazenarmos as bugigangas do velho homem, portanto, adeus às murmurações…

O ESPÍRITO DA CRUZ .139 – UM NEGÓCIO DA NOITE

Eu o aconselho a comprar de mim ouro purificado pelo fogo, e então será rico. Compre também roupas brancas, para que não se envergonhe de sua nudez, e colírio para aplicar nos olhos, a fim de enxergar.Apocalipse 3:18 (NVT).

Os membros da igreja de Laodicéia foram aconselhadas pelo Senhor a comprar dEle ouro refinado no fogo para enriquecer. Isso aqui pode significar justiça divina, que é comprada sem dinheiro ou preço em Isaías 55:1, mas recebida como um presente pela fé no Senhor Jesus. Ou pode significar fé genuína, que, quando testada pelo fogo, resultará em louvor, honra e glória na revelação de nosso Senhor Jesus Cristo, como em 1 Pedro 1: 7.

Também as pessoas foram aconselhadas a comprar roupas brancas por causa da vergonha, isto é, retidão prática e objetiva na nossa vida cotidiana. Phillips Brooks dizia no séc 19,

seja uma pessoa de tal conduta e viva de tal maneira que, se todos as pessoas fossem como você e todas as vidas como a sua, esta terra seria o paraíso de Deus.”

Mas é bom observar que a fé cristã não é meramente um programa de conduta; é, antes de tudo, o poder de uma nova vida que ultrapassa a conduta mais elevada de um ser humano virtuoso, ético e inatacável na sua moral. A conduta do cristão excede em muito ao comportamento do impoluto da moral, porque é Cristo vivendo nele.

Se a vida de Cristo não se expressa bem no trânsito confuso, na contradição das opiniões ou nos negócios desta vida, temos que suspeitar do nosso cristianismo.

Eles também deveriam ungir seus olhos com colírio, isto é, ganhar verdadeira visão espiritual através da iluminação do Espírito Santo. Esse conselho era especialmente apropriado, uma vez que, Laodicéia era conhecida como um centro de serviços bancários, têxteis e de remédios – especialmente colírios e pomadas oculares.

Nossa visão espiritual precisa ser controlada não pelo que vemos no mundo, mas pelo que a Bíblia nos autoriza a crer.Matthew Henry dizia: “o crescimento espiritual consiste mais no crescimento da raiz que está fora do alcance da visão,” isto é, precisamos focar no desenvolvimento invisível do nosso coração nutrido pela comunhão com Deus.

Ouro purificado pelo fogo, roupa limpa e visão clara são ingredientes essenciais na composição de uma comunidade cristã, mas isso é difícil, pois;

não nos cabe imaginar que podemos provar a veracidade do cristianismo com nossos próprios argumentos; ninguém consegue provar a veracidade do cristianismo, a não ser o Espírito Santo.”

Contudo, se não expresso no escuro a justiça de Cristo, se a minha conduta fora da passarela não espelha o caráter de Cristo e se a minha visão da noite escura não revela a lucidez de Cristo, então posso dizer que o meu “cristianismo” é falso. O bom fruto expressa o vigor da raiz e a vida frutífera do cristão a sua intimidade interior com Cristo. É isso!