O ESPÍRITO DA CRUZ .100 – EVIDÊNCIA OU FÉ ?

Maria, a mãe de Jesus, é considerada pela igreja cristã como uma mulher de fé e a mais bem-aventurada de todas, por ter sido escolhida como um vaso, para trazer a este planeta caído o Salvador do mundo. Maria teve uma visão e creu na Palavra do mensageiro celestial, entregando-se ao cumprimento de uma profecia que apontava para a semente da mulher, Aquele que viria esmagar a cabeça da serpente, ainda que ferido no calcanhar.

Maria é cantada e decantada. Dela se fala, em prosa e verso, até mesmo que é a mãe de Deus, coisa que nunca foi, já que Deus não tem mãe. Ela é mãe de Jesus, o Filho do Homem, a plena encarnação divina, mas é uma mera criatura e jamais foi mãe do Criador.

O que me chama a atenção, nesta ênfase toda, é que pouco se ouve falar da fé de José, seu marido. Ele fica meio escondido atrás dela e quase passa despercebido. Porém, vejo neste homem uma fé tão significativa, que ouso dizer que ela não teve fé mais robusta.

Maria creu no anjo quando lhe disse: – você ficará grávida do Espírito Santo. E, quando ficou, não foi tão difícil saber, pois ela tinha certeza de que nunca tivera relação sexual com nenhum homem. Ela era virgem e jamais copulara, nem fizera qualquer tipo de inseminação artificial assistida, pois na época não havia essa possibilidade.

Agora, o caso de José foi diferente. O mensageiro celestial que falou com ele, fala em sonho, sem qualquer profecia a seu respeito e sem a possibilidade dele constatar o fato, por isso, a questão aqui é bem mais complicada. Nem todo sonho é revelação divina e não havia um meio pelo qual ele pudesse confirmar a veracidade destas informações.

Quando José viu o sinal de que Maria era gestante, sendo homem justo, resolve romper a união em segredo, pois não queria envergonhá-la com uma separação pública. Foi aí que teve este sonho que mudou sua decisão. José creu piamente naquele sonho.

A evidência da fé é ver quem fala. Aqui deduzimos que José era alguém que tinha uma intimidade real com Deus. Por esta narrativa, podemos perceber que ele já estava bem familiarizado com a linguagem do trono, porque não teve a menor dúvida em seu coração.

O anjo do senho diz que Maria, sua noiva, estava esperando um filho do Espírito Santo e que ele teria a missão de dar o nome de Jesus a esta criança, que seria seu filho. Só quem tem convicção da verdade ou quem é tonto de verdade pode crer numa coisa desta. José creu e nunca foi tonto, porque fé é isto mesmo, é crer em Deus, apesar das evidências.

Tiro aqui o chapéu pro José. “A fé que não vai mais longe do que a cabeça nunca pode trazer paz ao coração.” Maria crendo pôde constatar que sua gravidez foi um milagre; enquanto José constatou o milagre da sua fé, na gravidez de sua mulher. Maria creu, mas viu na experiência a realidade da sua crença, todavia, José nunca pode atestar o que creu. Mendigos, creiam como José, com fé simples no Deus que gera fé.

Do velho mendigo, GP.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s