O ESPÍRITO DA CRUZ – 68 – DOS TALENTOS AOS DONS

dons-e-talentos

A igreja é organismo vivo com a vida de Cristo. Deve ser organizada, sim, sem ser uma mera organização. Todo organismo vivo tem uma organização, porém, nem toda organização é um organismo vivo. A igreja é um organismo vivo organizada pelos dons do Espírito Santo. Não são os nossos talentos, mas os dons que a deixam bem organizada.

Os talentos são naturais, os dons, espirituais. Não existe dom de cantor, existe talento artístico. Os dons são do Espírito e os talentos são nossos. Cantar é talento, mas profecia é um dom para edificação do corpo. A oratória é um talento, o ensino é um dom. Os talentos geram admiração dos artistas, os dons, adoração à Trindade Santa.

Há muito show chamado de culto, mas não passa disso; é show. É lindo, mas não vai além dum espetáculo de talentos. Não estou dizendo que os talentos não podem ser expressões de culto, o que quero dizer é que os talentos sem um espírito quebrantado e a unção, que vem do Espírito Santo, gera apenas vaidade nos artistas e entretenimento no auditório. Assim, a alma se emociona, mas não toca no espírito.

Vemos, na história da igreja, os nossos talentos humanos tentando substituir os dons espirituais, e com isso, observamos a igreja sofrendo por ai com a competição sutil e “espiritualizada” dos talentosos, que querem usurpar o governo do Espírito Santo.

Precisamos entender que a igreja não é uma democracia na qual escolhemos a Deus, mas uma teocracia na qual ele nos escolheu para manifestar a Sua glória refletindo os Seus dons. Não é um grupo de artistas bem dotados, dando espetáculos, mas os filhos do Altíssimo em plena adoração ao Cordeiro de Deus, em perfeita singeleza de coração.

Administrar a igreja através de cursos da FGV, nada tem a ver com administra-la na dependência do Espírito Santo. Ensinar teologia apenas como currículo académico nunca se percebe a identidade do teólogo. Precisamos mais do que uma teologia da cruz, precisamos de teólogos crucificados, exalando o bom perfume da ressurreição de Cristo.

Gosto de William Hendriksen ao dizer: O trabalho da igreja nunca é inútil pois é produto não da mente do homem, mas da graça soberana de Deus, por meio dos dons. É o governo do Espírito de Deus no espírito regenerado do homem, promovendo adoração à Trindade e fazendo brotar o serviço em favor do povo de Deus, sem o foco no servidor.

Os talentos buscam aplausos, mas os dons nunca se exibem. Os talentosos se ressentem quando não são reconhecidos, todavia, aqueles que Deus usa, com Seus dons e os talentos pessoais, não fazem questão dos holofotes, nem se magoam no anonimato.

Mendigos, não vamos criticar os talentos, eles também são dons da criação de Deus. O que se precisa é o espírito da cruz, nos talentos, para que a glória de Deus seja a realidade tanto nestes, como nos dons espirituais.

Do velho mendigo, GP.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s