espírito da cruz 64 – a fé virou refém

z0szcisshl

No século XIX, Hegel deu uma pedrada na cabeça da humanidade e avariou em cheio a razão. Saímos do terreno do pensamento para o campo do sentimento. No tempo da lógica matemática, quando A era verdadeiro, não A era falso, mas hoje, a síntese cinza do branco e preto tornou-se a verdade subjetiva universal e absoluta.

Agora, já não há mais a verdade, mas verdades. Vivemos a ditadura maiúscula do subjetivismo e o domínio do sentimento. Não se pode mais falar em verdade absoluta, pois o único absoluto que há, é o absoluto relativismo da verdade.

Este absolutismo da experiência pessoal determinou o caos da realidade. Nada hoje é considerado verdadeiro, pois cada um tem a sua verdade experimental. Ouvi uma canção gospel, dessas arrebatadoras, que dizia, eu sinto a tua presença… eu sinto, sinto e sinto, era tudo o que dizia. Tudo estava sustentado pelo sentimento. Só se via a alma nos seus românticos expedientes, tentando garantir a realidade espiritual.

O espírito está na dimensão onde só a verdade em Jesus e a fé podem entrar. O mundo espiritual jamais será dirigido por uma alma caída. Mesmo que a razão chegue à porta do trono de Deus, é a revelação que vai convida-lá a entrar.

Sem iluminação, não haverá revelação, e sem esta, tudo é obscuridade emocional. Sentimento não é fé.

A realidade Divina não é sensorial e nem sensível. Não é emoção, senão pura revelação a caminho da intimidade com Deus. Como bem disse o Dr. Robert Horn, “nossa necessidade de revelação é como nossa necessidade de redenção: é absoluta.”

A caligrafia de Deus só pode ser decifrada pelo próprio Deus. Todo ser humano precisa de Deus para crer em Deus. Sem a revelação de Deus não há o conhecimento de Deus. Não se trata de sentimento, nem mesmo de entendimento. Para o escritor Arthur C. Custance, “enquanto Deus não sintonizar o receptor no coração do homem, a mensagem do evangelho será apenas um ruído, não uma comunicação.”

5205cd62ab6c4_832_470

A Palavra de Deus e o Espírito Santo são os promotores da revelação, e, esta, é o agente da fé, que pode muito bem se manifestar com emoções. Não devemos negar o valor dos sentimentos se vierem guiados pela fé. Emoções podem ser como vagões, mas nunca como a locomotiva.

Se a ordem for: Palavra de Deus, fé e emoção, tudo bem.

A questão hoje é uma confusão de sentimentos. A fé virou emoção e a emoção uma loucura da alma, onde o espiritual converteu-se em emocionalismo.

A fé salvadora é tão espiritual como a salvação pela fé. Não podemos confundir os nossos sentimentos, nem mesmos os nossos insights com o escopo da fé. – Mendigos, na vida espiritual, tudo é de Deus, por meio de Deus e para Deus. Não se deixem levar ou iludir pela sabedoria das palavras. É só por Cristo, o crucificado.

Do velho mendigo,

Glenio.

8 comentários sobre “espírito da cruz 64 – a fé virou refém

  1. Como Cristo falando a Nicodemos: o que é nascido de carne é carne, o que é nascido de Espírito é Espírito. Como a Palavra é o Verbo Encarnado, e que temos agora aqui é “outro Consolador”, que na verdade é o mesmo, só a revelação do Espírito para se entender a Palavra do Espírito. A carne teima em tentar realizar as obras do Espírito, porém, não se gera vida e gratidão na carne. Que Deus nos livre dos sentimentos, que não estavam presente em nenhum discípulo, e se em algum momento estava, não eram altas doses de endorfina, mas sim, altas doses de dependência do Espirito Santo, para o bem do próximo e do Evangelho.

  2. gostaria de receber notificações, para poder ter um bom desenvolvimento de conhecimento, para a edificação de minha fé.
    Que D’us sejas Louvado.
    Graça e Paz.

  3. Sem palavras pra descrever! Sou tocado profundamente quando Cristo se revela como único caminho, desfazendo qualquer fantasia humana de alcança-Lo!
    Gostaria de ter um dedo de prosa com vc irmão Glenio!

  4. Velho mendigo é sempre bom te ouvir e compartilhar contigo do q o Senhor derrama através do Espírito Santo em tua vida. Eu fico aqui nos respingos me alegrando e respingando tb dessa Graça incomensurável!!!

  5. Pastor, boa noite. Sei que meu comentário é tardio, mas apenas hoje tive a oportunidade de conhecer vosso blog. Fui até a Igreja, em cujo o senhor é pastor e ao me deparar com o texto sobre o zero e o nove fui pesquisar no amado Google e encontrei seu blog. Não sou cristão no momento, mas tenho algumas dúvidas. Se possível gostaria que o senhor explicasse para mim parte do seu texto que se segue entre aspas.

    “A caligrafia de Deus só pode ser decifrada pelo próprio Deus. Todo ser humano precisa de Deus para crer em Deus. Sem a revelação de Deus não há o conhecimento de Deus. Não se trata de sentimento, nem mesmo de entendimento. Para o escritor Arthur C. Custance, “enquanto Deus não sintonizar o receptor no coração do homem, a mensagem do evangelho será apenas um ruído, não uma comunicação.” ”

    Posso entender isso como predestinação?

    Minha pergunta está ligada a questões profunda. Nasci numa família cristã e por volta dos 22 anos perdi minha fé por completo. Fui na igreja que o senhor pastoreia e fiquei muito tocado com a mensagem do natal. Não me sentia tocado por nada há muito. Minha família ora e acha que é só uma questão de decisão minha, mas asseguro que busco dentro de mim e nada encontro no que tange à fé.
    Se o senhor puder esclarecer esse ponto que coloquei, ficarei feliz. Parece-me que o senhor defende neste ponto acima que apenas Deus é capaz de trazer-nos à fé. Desta forma, como faço? Fico parado? Espero que algum dia ele me tocará?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s