espírito da cruz 6 – no cemitério não há sindicato

O conceito de ressurreição com Cristo é mais facilmente aceito pela maioria da gente que transita pela igreja, do que o tema anterior da nossa co-crucificação com Ele. É mais agradável admitir o ganho de uma nova vida do que a perda da nossa antiga.

O ser humano não gosta de pensar no fim de si mesmo. Sair do controle é um baque para o velho Adão. É preferível admitir uma soma que permita o convívio do velho com o novo do que subtrair Adão para manter só Cristo. Mas, não há a menor alternativa, pois a vida cristã não se trata de uma composição, e sim, de uma substituição.

Contudo, para compreendermos isto, é necessário percebermos que nossa co-morte é algo feito para nós e nunca algo que fazemos em nosso favor. Cremos que tudo foi feito por Cristo, cabendo a nós receber seus benefícios como um dom da graça.

Os filhos de Deus creem que o seu velho homem foi crucificado com Cristo, por isso, levam em seu viver diário o morrer de Jesus como expressão de sua fé numa obra já consumada, gerando paz com Deus; enquanto os legalistas se mortificam para, de algum modo, apaziguarem a Deus por seus esforços e terem, assim, de que se gloriar.

João Nascimento

O espírito da cruz nos mantém em estado de dependência plena na suficiência de Cristo, tanto no sentido de nossa redenção como de nosso progresso. Tudo, na fé em Cristo, é totalmente pela graça e nada que não seja de graça tem valor no Reino de Deus. Contudo, não confunda a graça plena de Cristo com a indolência de gente indisposta.

Achar que podemos fazer alguma coisa na vida cristã sem a total dependência da graça é desconhecer o espírito da cruz. Cuidado Mendiguinhos: “O orgulho, no sentido religioso, é a atitude de autonomia, de autodeterminação e de independência de Deus.

Assim, só uma pessoa fraca, na vida cristã, pode ser de fato forte. É a astenia plena ou a fraqueza total mediante a morte com Cristo, que promove a dependência real na suficiência de Jesus Cristo ressuscitado. Não há cristianismo autêntico sem a morte do velho Adão que nos comandava. É preciso tirar o tirano para Cristo viver em nós.

O verdadeiro arrependimento começa na humilhação do coração e termina na transformação da vida. Por outro lado, uma vida transformada é uma vivência humilde em perfeita humilhação diante de Deus e dos homens. O cristão que foi transformado dos pés à cabeça, não somente se humilha, como também não faz caso de ser humilhado.

Um cadáver vestido ou desnudo não se envergonha. Mortos não se defendem de qualquer tipo de injúria. Nos cemitérios não há sindicatos. Se já morremos com Cristo, por que ainda nos defendemos quando somos acusados ou vilipendiados? Meus amados mendigos, nós carecemos de um exame necrológico. Morremos ou é apenas um ataque cataléptico? Onde está o atestado de óbito?

No amor do Amado,
do velho mendigo do vale estreito, Glenio.

2 comentários sobre “espírito da cruz 6 – no cemitério não há sindicato

  1. graça e paz
    No sentido mais próximo do que está escrito no texto acima, a tradução que mais se adequa ao que Jesus falou em Joao 3:3, seria “se alguém não for nascido de novo, não pode ver o reino de Deus”?

  2. Obg por sempre mandar belíssimas reflexão de Deus para nós! peço q em suas orações, ore por mim e minha família!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s