GOTAS DE GENEROSIDADE XI.

Imagem
Velho mendigo, me ajuda nessa trajetória – foi o que me sinalizou a mendiguinha. E ela foi logo na veia. – Você tem falado muito de generosidade e eu quero desprender-me dessa minha clausura em compartilhar das bênçãos que caem na minha mesa. Como eu posso fazer e onde eu devo fazer? Há tantos aproveitadores no caminho e fico sem saber.

De fato, esta é uma questão importante. Não podemos ser indiferentes, mas também, não devemos agir indiscriminadamente. Critério é um atributo de quem precisa ser criterioso. Se eu não sei quem está por trás daquela obra, nem quais são os objetivos que governam a organização, então, devo levantar os dados. Creio que sou responsável por toda missão que ajudo manter. Ao colocar “fé” na farsa sou culpado tanto quanto os seus promotores.

Ser generoso não significa contribuir com qualquer evento que se me apresenta bonito na passarela. Volto a dizer: sou colaborador e cúmplice de tudo o que não estiver dentro dos sãos propósitos de Deus. A minha participação nunca será neutra.

Apesar de Deus não precisar de coisa alguma e, consequentemente, não necessitar das nossas contribuições, o alvo está sempre voltado às pessoas que Deus ama. Por isso, é preciso avaliar a causa e os casos em que essa missão estiver envolvida.

O primeiro requisito para uma análise é a eternidade. A minha generosidade está atrelada à salvação eterna de uma pessoa? Acredito, como Jesus, que o maior investimento neste mundo está na salvação de uma alma. Pois que aproveitará o homem se ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Ou que dará o homem em troca da sua alma? Mateus 16:26.

O seu investimento generoso contempla àqueles que estão labutando em prol da plena libertação das pessoa em sua dimensão eterna? Mas, por favor não me venha com certos argumentos: “eles também pregam a Bíblia. Muitos até falam em nome de Jesus”. Lembre-se, porém, que o Senhor Jesus disse a esse respeito: nunca os conheci.

Um segundo item é a necessidade. Precisamos enxergar os carentes de verdade. Estou falando aqui dos indigentes sem bolsa, dos órfãos sem suporte, das viuvas sem pensão e dos estrangeiros sem abrigo. São as classes enumeradas nas Escrituras como legítimas beneficiárias da generosidade. Não me tragam, nesta lista, os mendigos profissionais nem essa gente apadrinhada por política que compra voto e veta a dignidade do trabalhador.

Normalmente, aqueles que nunca se importam com os que não têm nenhuma importância no âmbito econômico, são exatamente os fariseus, religiosos de plantão, ou os políticos sujos que usam os pobres para, de alguma forma, levarem vantagens pessoais, fazendo da generosidade de outros uma plataforma para se locupletarem em suas ambições.

Como mendigos da graça somos movidos pelo Espírito para sermos parte da solução dos sofrimentos alheios e nunca parte deles.

No amor do Amado, do velho mendigo, GP.

Um comentário sobre “GOTAS DE GENEROSIDADE XI.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s